06:02 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Combatente da República Popular de Donetsk em um mercado destruído no leste ucraniano

    Brasileiro que luta em Donetsk acusa Ucrânia de ataques e provocações

    © Sputnik/ Den Levi
    Mundo
    URL curta
    0 3962766

    Membros do exército da Ucrânia estariam descumprindo acordos de Minsk com constantes ataques de baixa intensidade “com armas leves” e com “contínuas provocações” contra territórios controlados pelas forças independentistas do leste ucraniano.

    A informação foi prestada à agência Sputnik através das redes sociais pelo paulistano de 28 anos que se apresenta como “Magayver Rodolfo”, e que, segundo próprio, é um dos três brasileiros que hoje lutam em Donbass ao lado das forças de Donetsk.

    “É um mote de guerra”, declarou Rodolfo, que contou ter entrado para o Exército Popular de Donetsk em razão das suas habilidades de combate, pelas quais recebeu a alcunha do popular personagem dos anos 80, MacGyver. Outro detalhe da sua vida pessoal que o combatente aceitou revelar foi a sua formação em direito pela Universidade do Oeste Paulista (Unoeste).

    Rodolfo explicou ter chegado ao leste ucraniano no final de 2014, para “para prestar solidariedade ao povo de Donbass”. Apesar de não ter passado muitos detalhes a respeito da sua experiência em combate, ele afirmou ter vivido um dos momentos mais tensos na região de Mariupol, disputada pelos independentistas com o Batalhão Azov, formado por voluntários ucranianos e, segundo fontes, por muitos mercenários estrangeiros.

    “Vivi o meu momento de maior tensão em Mariupol, sob intensos bombardeios da artilharia ucraniana. Ali, vi muitos amigos serem feridos e muitos combatentes mortos”, lembrou o jovem em provável referência ao guerrilheiro brasileiro Rafael Santos Mirando, ferido em um bombardeiro em Mariupol em janeiro deste ano.

    “Daria minha vida para proteger as pessoas de Donbass”, concluiu o brasileiro, deixando a entender que não considera a possibilidade de abandonar o conflito.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik