20:22 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Agente da patrulha de fronteira dos EUA perto do limite entre Tijuana (México) e San Ysidro (Califórnia)

    Kremlin: envio de armas da Chechênia para o México é impossível

    © REUTERS/ Mike Blake
    Mundo
    URL curta
    0 1367206

    A república russa da Chechênia não pode fornecer armas para o México, porque isso iria contra a legislação da Rússia. A declaração foi feita nesta quinta-feira (26) pelo porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, em resposta às declarações de ontem (25) feitas pelo presidente do Parlamento checheno, Dukuvakha Abdurakhmanov.

    Segundo Peskov, "as entidades constituintes da Federação Russa não podem fornecer ou vender equipamento especial [a outros países]", porque "isso não está de acordo com a lei".

    O porta-voz do Kremlin disse ainda que não sabe os detalhes das declarações do parlamentar checheno, nem o que teria motivado tais anúncios. "Elas [as tais declarações] têm que ser coordenadas com Moscou", segundo as palavras de Peskov. 

    Na quarta-feira, Abdurakhmanov criticou a resolução do Congresso dos Estados Unidos que recomenda ao presidente Barack Obama iniciar o fornecimento de armas para Kiev. Ele teria dito que o envio de armamentos para a Ucrânia seria considerado como “um sinal para uma resposta adequada”, e que a Chechênia começaria “a fornecer as armas mais modernas para o México a fim de retomar as disputas sobre o estatuto jurídico dos territórios anexados pelos Estados Unidos, onde os estados norte-americanos da Califórnia, Novo México, Arizona, Nevada, Utah, Colorado e parte do Wyoming estão atualmente localizados".

    Mais:

    Chechênia pode proibir a exibição de "Cinquenta Tons de Cinza"
    Moscou: envio de armas dos EUA para a Ucrânia “ameaça diretamente a segurança da Rússia”
    Deputado: Rússia não precisa de permissão para instalar armas nucleares na Crimeia
    Tags:
    armas, Dukuvakha Abdurakhmanov, Dmitry Peskov, Chechênia, Rússia, Ucrânia, México, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik