15:25 25 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Grafiti patriótico relacionado à reintegração da Crimeia à Rússia

    Putin explica decisão de reintegrar a Crimeia

    © Sputnik/ Artem Zhitenev
    Mundo
    URL curta
    0 3589772

    O presidente russo Vladimir Putin declarou que a reintegração da Crimeia na Rússia em março de 2014 não era o objetivo da liderança russa.

    “O objetivo era criar a possibilidade de os habitantes expressarem a opinião sobre como gostariam de continuar a viver […] Eu pensei: se as pessoas querem que seja assim, que seja assim. Se eles quiserem, terão autonomia, com alguns direitos ampliados, dentro da Ucrânia. Seja como o povo quiser. Mas se quiserem algo diferente, não os podemos abandonar. Sabemos o resultado do referendo e fizemos o que devíamos fazer”, disse Putin na entrevista incluída no filme do canal de TV russo Rossiya 1 “Crimeia. Retorno à Pátria”.

    O presidente contou que a questão do destino da Crimeia foi levantada na noite de 23 de fevereiro de 2014, durante a operação de salvamento do presidente ucraniano Viktor Yanukovich:

    “Nós acabamos às 7 de manhã e ao nos despedirmos, não vou negar, disse a todos os meus colegas, a quatro deles: "A situação na Ucrânia se inverte de tal forma que temos que começar a trabalhar no sentido de fazer voltar a Crimeia para a Rússia porque nós não podemos deixar a área e as pessoas que lá vivem, para se defenderem sozinhos dos nacionalistas." Eu coloquei as tarefas certas, disse o que devemos fazer, mas disse imediatamente que vamos fazer algo somente se estivermos absolutamente convencidos de que isso é exatamente o que o povo da Crimeia quer.”

    O presidente Putin divulgou que a opinião do povo foi estudada em uma pesquisa:

    “Descobriu-se que aqueles que desejavam juntar-se a Rússia lá [na Crimeia – nota da redação] eram 75% de toda a população. A pesquisa foi conduzida de forma fechada, fora do contexto de uma possível adesão. Para mim, tornou-se óbvio que, se chegássemos a isso, o número de pessoas que gostariam de ver este acontecimento histórico ocorrido seria muito mais elevado".

    Tags:
    entrevista, Vladimir Putin, Crimeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik