03:43 27 Março 2017
Ouvir Rádio
    Edward Snowden

    Snowden quer voltar aos EUA

    © REUTERS/ MARK BLINCH
    Mundo
    URL curta
    0 78746

    O advogado russo do ex-colaborador da inteligência norte-americana Edward Snowden, Anatoly Kucherena, declarou durante a presentação do seu livro em Moscou que está sendo feito o possível para que Snowden volte à sua pátria, os Estados Unidos.

    O primeiro livro da trilogia "Tempos de Polvo" de Kucherena foi posto à venda na terça-feira, 3 de março,  e o protótipo do herói é Snowden.

    Segundo Kucherena, Edward Snowden tem a intenção de voltar ao seu país. Mas para isso os advogados russos e norte-americanos estão a resolver as questões jurídicas. A principal exigência do ex-colaborador da CIA é garantir um julgamento justo e imparcial nos EUA.

    Kucherena opina que os EUA violam a lei na situação de Snowden porque só um tribunal pode identificar os culpados e sentenciar alguém. Ele adiantou que o lado norte-americano não enviou pedidos de extradição relativamente a Snowden. Foi só remetida uma carta do procurador-geral dos EUA, garantindo não será aplicada a cadeira elétrica a Snowden.

    Em junho de 2013, Edward Snowden, ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA na sigla em inglês), passou aos jornais The Washington Post e The Guardian uma série de materiais secretos sobre os programas de vigilância na Internet, realizados pelas agências de inteligência estadunidenses e britânicas. Após isso, Snowden partiu para Hong Kong e logo a seguir para Moscou, onde permaneceu algum tempo na zona de trânsito do aeroporto de Sheremetyevo.

    Mais tarde, a Rússia concedeu-lhe asilo temporário por um ano sob a condição de que ele cessasse sua atividade contra os EUA. Em 1 de agosto 2014, Snowden recebeu uma autorização de residência de três anos, o que lhe permite viajar não só na Rússia, mas também no exterior.

    Tags:
    inteligência, tribunal, livro, Anatoly Kucherena, Edward Snowden, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik