02:31 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, e Xi Jinping, presidente da China

    Obama ataca China por medidas antiterrorismo similares às americanas

    © AP Photo/ Andy Wong
    Mundo
    URL curta
    0 912

    O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não poupou críticas à proposta de lei antiterrorismo chinesa - apesar de as novas regras serem baseadas principalmente nas regulamentações americanas e, mais diretamente, no precedente aberto pelo aparato de espionagem da Agência de Segurança Nacional americana (NSA, na sigla em inglês).

    Na última semana, a China fez algumas exigências como requerer que empresas de tecnologia americanas interessadas em fazer negócios no país asiático instalem seus servidores na China. As empresas também precisam fornecer senhas e permitir ao governo chinês um acesso especial de vigilância a seus sistemas.

    As medidas deixaram as empresas de tecnologia e o presidente Obama receosos, embora este seja exatamente o tipo de acesso que o governo americano possui — como os documentos revelados por Edward Snowden comprovaram.

    "É algo que já levei diretamente ao presidente Xo", disse Obama à agência Reuters. "Deixamos bastante claro que é algo que precisará ser modificado se eles querem negociar com os Estados Unidos", completou.

    O tom de Obama é bem diferente do adotado no começo do ano, quando tanto o presidente americano quando o primeiro-ministro britânico, David Cameron, pressionaram as gigantes de tecnologia a cooperar com as agências de inteligência do Ocidente.

    Jeh Johnson, secretário de segurança doméstica, e Barack Obama, presidente dos Estados Unidos
    © AP Photo/ Evan Vucci
    Jeh Johnson, secretário de segurança doméstica, e Barack Obama, presidente dos Estados Unidos

    "Ainda teremos de encontrar maneiras de garantir que, se um grupo afiliado à Al-Qaeda estiver operando na Grã-Bretanha ou nos Estados Unidos, podemos tentar prevenir uma tragédia de verdade", disse Obama em uma coletiva na ocasião. "Acho que todas empresas querer ver isso também. Elas são patriotas e têm famílias que querem ver protegidas."

    Passaram-se apenas seis semanas desde estes dois discursos diferentes de Obama. Se, por um lado, Obama considera a vigilância digital como ferramenta essencial do patriotismo e vital para lutar contra o terrorismo doméstico e estrangeiro, o mesmo não acontece quando é a China que adota a mesma postura.

    Coincidentemente, a segurança nacional é também o argumento usado pelo governo chinês. Ao colocar em vigor a lei antiterrorismo, Pequim se justifica citando o perigo da presença de extremistas religiosos na região de Xinjiang. 

    Obama afirma que as empresas de tecnologia não estão dispostas a dar tamanho acesso ao governo chinês, mas os documentos revelados por Edward Snowden mostram que a Microsoft dava acesso direto a mensagens criptografadas à NSA. No ano passado, inclusive, tanto o FBI quanto a NSA alertaram empresas de internet contra o uso de criptografias que as agências da lei não conseguissem decodificar.

    Como a China é uma das maiores economias em crescimento, seu mercado pode ser atrativo demais para que as empresas de tecnologia ignorem. Especialmente se o "novo" negócio tem regras que elas já são forçadas a seguir há anos.

    Mais:

    EUA: Mau acordo com o Irã é melhor do que nenhum
    Obama espera abrir embaixada em Cuba até meados de abril
    Obama ameaçou mandar derrubar caças israelenses, diz jornal
    China apresenta nova geração de celulares de grafeno
    China reforça posições no mercado mundial de armas
    Tags:
    vigilância, espionagem, Agência Nacional de Segurança (NSA), Edward Snowden, Barack Obama, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik