19:44 30 Março 2017
Ouvir Rádio
    Hillary Clinton

    Mídia: Hillary Clinton pode ter violado a lei

    © Sputnik/ Mikhail Klimentiev
    Mundo
    URL curta
    0 70423

    A ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton pode ter violado a lei federal por ter usado durante o seu mandato (2009-2013) o e-mail exclusivamente pessoal, que não era protegido.

    A notícia foi publicada na segunda-feira, 2 de março, pelo jornal norte-americano The New York Times.

    A lei federal exige que todos os funcionários públicos deste nível usem para correspondência o serviço eletrônico especial do governo, que é adicionalmente protegido e guarda automaticamente "para a História" todas as mensagens transmitidas. No entanto, Clinton, por algum motivo, manteve toda a sua correspondência oficial exclusivamente através do e-mail pessoal.

    Jason Baron, advogado da Bebedor Biddle & Reath, que antigamente era diretor de litígio no Arquivos e Registros da Administração Nacional, declarou:

    "É muito difícil de imaginar um cenário em que uma agência fosse justificada por permitir aos titulares de nível de gabinete usar apenas o e-mail pessoal para tratar de questões do governo".

    Ele acrescentou que não conseguia se lembrar de nenhuma instância durante o seu trabalho no Arquivo Nacional "em que um funcionário de alto nível em algum departamento da agência de nível executivo apenas tenha usado uma conta de e-mail pessoal para tratar de questões do governo."

    No entanto, o porta-voz de Clinton, Nick Merrill, defendeu a ex-secretária de Estado, dizendo que ela havia agido em conformidade com a "letra e o espírito das regras."

    Hillary Clinton irá entrar em abril deste ano na campanha das eleições presidenciais, a serem realizadas em novembro de 2016. Segundo o jornal norte-americano Wall Street Journal, Clinton e seus assessores disseram aos patrocinadores que está planejado iniciar a campanha mais cedo a fim de acelerar a recolha de fundos.

    Tags:
    e-mail, legislação, Hillary Clinton, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik