08:57 24 Março 2017
Ouvir Rádio
    Cristina Kirchner, presidente da Argentina

    Juiz do caso Nisman diz que não elementos para investigar Cristina

    © REUTERS/ Argentine Presidency
    Mundo
    URL curta
    0 103 0 0

    Decisão suspende o indiciamento da presidente da Argentina, pedido com base nas investigações do promotor morto em janeiro.

    O juiz Daniel Rafecas considerou, nesta quinta-feira, que não há elementos para envolver a presidente argentina Cristina Kirchner na denúncia de acobertamento feita por Alberto Nisman e levada adiante com indiciamento proposto pelo promotor Gerardo Pollicita.

    O juiz disse que "não estão dadas as mínimas condições para iniciar uma investigação penal" a partir da denúncia apresentada pelo promotor Alberto Nisman em 14 de janeiro, informou o Centro de Informação Judicial.

    Nisman foi encontrado morto em 18 de janeiro, quatro dias depois de acusar a presidente, o chanceler Héctor Timerman, um deputado governista, um dos supostos espiões e dirigentes sociais próximos ao governo de terem participado de um plano para "garantir a impunidade" dos oito iranianos acusados do ataque a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) em 1994, que provocou a morte de 85 pessoas.

    A morte de Nisman, que é investigada pela polícia, gerou uma crise política e institucional no país.

    A denúncia de Nisman havia sido levada adiante dias atrás pelo promotor Gerardo Pollicita, que apresentou novamente acusação ao entender que havia suspeitas fundadas para investigar a presidente e havia pedido ao juiz que avaliasse uma série de provas para avançar na investigação.

    Porém, segundo Rafecas, nenhuma das hipóteses defendidas por Pollicita "se sustentam minimamente".

    A decisão do juiz pode ser apelada por Pollicita ante o fiscal da Câmara Federal, Germán Moldes.

    Fonte: Estadão Conteúdo

    Mais:

    Promotor pede acusação contra Cristina Kirchner por encobrir inquérito
    Morales e Maduro manifestaram apoio à Kirchner
    Opinião: na Argentina ocorre “golpe de Estado brando”
    Tags:
    investigação, Alberto Nisman, Cristina Fernández de Kirchner, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik