23:42 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Aleksei Miller

    Kiev não paga gás russo, fornecimento está em risco

    © Sputnik/ Aleksei Nikolsky
    Mundo
    URL curta
    0 131

    O representante da empresa de energia russa Gazprom declarou que apenas 219 milhões cúbicos de gás, correspondentes ao resto do pré-pagamento.

    A ausência de pagamento pode levar a uma cessação completa dentro de dois dias.

    A empresa de energia da Ucrânia Naftogaz não pagou atempadamente o valor do gás a fornecer e, por isso, a plena satisfação do pedido da empresa ucraniana pode levar à cessação do fornecimentos dentro de dois dias, disse o presidente da Gazprom Aleksei Miller.

    “A Ucrânia não fez o novo pré-pagamento a tempo. Hoje restam só 219 milhões de metros cúbicos de gás já pré-pago. Cerca de dois dias são precisos para a transferência de dinheiro da Naftogaz chegar à Gazprom”, declarou Miller na terça-feira, 24 de fevereiro.

    “Por isso o fornecimento de gás à Ucrânia no volume pedido de 114 milhões de metros cúbicos em apenas dois dias levará a cessação total de fornecimento de gás à Ucrânia, o que pode criar riscos sérios para o fornecimento de gás à Europa”, sublinhou o chefe da Gazprom.

    O presidente da Naftogaz, Andrei Kovolev, declarou na terça-feira (24) que a empresa não planeja fazer pré-pagamento do gás russo enquanto "não tiver  certeza suficiente de que o contrato será cumprido".

    “Nos últimos dois dias, a Gazprom não cumpre os pedidos do lado ucraniano de fornecimento do gás já pago nos termos do contrato. Em particular, a Gazprom era obrigada a entregar 114 milhões de metros cúbicos em 22 e 23 de fevereiro, mas de fato forneceu apenas 47 e 39 milhões de metros cúbicos, respectivamente”, diz-se na declaração da Naftogaz.

    “Ao mesmo tempo, a Gazprom não explicou a violação das suas obrigações contratuais. A Naftogaz está à espera de uma explicação oficial do lado russo”, divulgou a empresa ucraniana.

    Tags:
    gás, Naftogaz, Gazprom, Aleksei Miller, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik