22:35 25 Março 2017
Ouvir Rádio
    Refugiados da Ucrânia

    Número de refugiados do conflito ucraniano chega a 950 mil

    © AFP 2017/ SERGEI VENYAVSKY / AFP
    Mundo
    URL curta
    0 244 0 0

    O porta-voz da Organização Internacional de Migração (IOM), Joel Millman, informou que o número de deslocados internos na Ucrânia ultrapassou a marca 950 mil pessoas em fevereiro.

    Segundo ele, "a OIM e seus parceiros na ação humanitária estão buscando urgentemente recursos para apoiar os deslocados mais necessitados, em especial as grandes famílias, viúvas, mulheres grávidas, idosos e pessoas com deficiência".

    O porta-voz afirmou que, no início de fevereiro, a organização prestou assistência humanitária a cerca de 30 mil deslocados em 16 províncias da Ucrânia. Cerca de metade delas recebeu ajuda dos Estados Unidos, União Europeia, Noruega, Suíça e Alemanha.

    Ao mesmo tempo, a OIM começou a desenvolver um programa de ajuda e recuperação do status social para os afetados, que prevê vários cursos especiais e de fornecimento de subsídios para os programas de micro negócios.

    Na última terça-feira, 11, a ONU apresentou um novo relatório sobre o número de mortes no conflito do leste da Ucrânia. De acordo com as Nações Unidas, o número de mortos já totaliza 5.486 pessoas, enquanto o número de deslocados internos é de 978.482.

    Desde meados de abril do ano passado as forças de Kiev realizam uma operação militar contra os grupos independentistas do leste da Ucrânia. Estes não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas, que chegaram ao poder após um golpe de Estado ocorrido em fevereiro de 2014 em Kiev. No início deste ano os bombardeios se intensificaram na região e o número de mortos aumentou significativamente.

    Mais:

    RPD: bombardeamento de empresa química em Donetsk provoca feridos
    Donetsk: ataque a estação de ônibus deixa um morto
    Bombardeio de hospital em Donetsk mata 4 pessoas
    Tags:
    refugiados, ONU, Donetsk, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik