04:17 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama

    Obama quer manter sanções antirrussas

    © Foto: Host Photo Agency
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia: campo de batalha (286)
    0 012

    As sanções antirrussas estarão em vigor até Moscou cumprir as uas obrigações no âmbito do Acordo de Minsk, declarou na segunda-feira (9) o presidente dos EUA, Barack Obama.

    "Combinamos (com os aliados – Ed.), que as sanções contra a Rússia devem estar em vigor até a Rússia cumprir as suas obrigações (em conexão com a situação na Ucrânia – Ed.)", disse Obama.

    Obama também enfatizou que a continuação da atual política russa em relação à Ucrânia vai afetar seriamente o bem-estar da Rússia.

    “Se a Rússia continuar a sua política atual, o que prejudica a economia russa e o povo russo, assim como tem efeitos graves na Ucrânia, o isolamento da Rússia irá aumentar tanto na área política como na econômica”, revelou Obama aos jornalistas.

    Ao mesmo tempo, Obama disse que os Estados Unidos e a União Europeia continuarão a trabalhar para encontrar uma solução diplomática para o conflito no leste da Ucrânia.

    O presidente dos EUA Barack Obama em uma entrevista coletiva com a chanceler alemã, Angela Merkel, na Casa Branca, disse que "ainda não aprovou” a decisão sobre o fornecimento de armas para a Ucrânia. Ele observou que os EUA "devem se consultar com os seus parceiros europeus sobre o assunto."

    Durante a entrevista, Obama voltou a colocar toda a responsabilidade pelos acontecimentos na Ucrânia na Federação da Rússia e nas milícias ucranianas. De acordo com ele, a Rússia "violou os Acordos de Minsk".

    Tema:
    Ucrânia: campo de batalha (286)

    Mais:

    Rússia nega ter havido ultimato da parte de Merkel a Putin
    Presidente da Sérvia: "Nossos três amigos – UE, Ucrânia e Rússia – estão em conflito"
    Lavrov disse que a Rússia não abrirá mão dos seus interesses nacionais
    Kerry diz que EUA não querem confronto com a Rússia
    Tags:
    sanções, Barack Obama, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik