07:29 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Hoje atualizado
    URL curta
    0270
    Nos siga no

    Bom dia! A Sputnik Brasil está acompanhando as matérias mais relevantes desta terça-feira (31), marcada pela conclusão da missão americana no Afeganistão, pela resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a saída do país e por um acidente mortal com guindaste no México.

    COVID-19 no Brasil: relatadas dificuldades com acesso ao certificado de vacinação

    Nesta segunda-feira (30), muitos no país que se vacinaram contra a COVID-19 relataram ter problemas com o acesso ao comprovante digital de imunização. O aplicativo ConecteSUS, criado pelo Ministério da Saúde para acessar uma série de dados pessoais, incluindo as vacinas tomadas pela pessoa, registra nos últimos dias falhas no funcionamento. Segundo relatos nas redes sociais, o aplicativo não carrega o certificado vacinal ou apresenta o comprovante com os dados em branco. Houve também problemas com atualização dos dados. A pasta não comentou os erros no funcionamento do ConecteSUS. Além do mais, conforme informa o jornal Folha de São Paulo, o ministério vê riscos de alta de hospitalizações pelo coronavírus no mês de setembro, bem como prevê a possibilidade de uma alta nos casos. A preocupação é gerada, entre outras razões, pela disseminação da variante Delta no país e diminuição da proteção das vacinas na população mais idosa. No entanto, a Saúde espera que o avanço na vacinação permita conter o crescimento do número de óbitos. Entretanto, o Brasil confirmou mais 313 mortes e 12.453 casos de COVID-19, totalizando 579.643 óbitos e 20.751.108 diagnósticos da doença, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.

    Meninas adolescentes aguardam para receber sua dose da vacina Pfizer, Rio de Janeiro, 26 de agosto de 2021
    © AP Photo / Bruna Prado
    Meninas adolescentes aguardam para receber sua dose da vacina Pfizer, Rio de Janeiro, 26 de agosto de 2021

    Aneel vai divulgar reajuste da conta de luz

    Nesta terça-feira (31), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve anunciar reajuste no valor tarifário da conta de luz. A Aneel discutiu uma proposta de reajuste da bandeira vermelha patamar 2 com o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico para custear a ativação das usinas termelétricas. A tarifa atual, com acréscimo de R$ 9,49 a cada kWh na conta mensal, está em vigor a partir de junho. Ante a crise hídrica no país que baixou os níveis de água das hidrelétricas, foi decidida uma alternativa de reativação emergencial das termelétricas, relembra o Correio Braziliense. Mas, de acordo com a Aneel, a utilização das usinas é mais cara e custará por volta de R$ 9 bilhões aos consumidores. No entanto, "se o governo não aumentar o valor da bandeira agora, o consumidor irá pagar nos próximos anos com o reajuste da distribuidora, com juros maiores", explica o reajuste previsto o especialista em energia Hugo Lott.

    Homem passa por cartazes com o ministro da Economia Paulo Guedes e com o presidente Jair Bolsonaro, São Paulo, 30 de agosto de 2021
    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Homem passa por cartazes com o ministro da Economia Paulo Guedes e com o presidente Jair Bolsonaro, São Paulo, 30 de agosto de 2021

    Fim da guerra americana mais longa: Pentágono anuncia retirada completa das tropas do Afeganistão

    O Departamento de Defesa dos EUA confirmou na segunda-feira (30) que a presença de 20 anos no solo afegão chegou ao fim quando o último Boeing C-17 Globemaster partiu do Aeroporto Internacional Hamid Karzai em Cabul. Entre 14 e 30 de agosto, mais de 123.000 civis foram evacuados do país pelas forças norte-americanas e de seus aliados, de acordo com os dados do Pentágono. O presidente Joe Biden deve fazer hoje (31) o discurso ante a nação americana sobre a conclusão da retirada das forças dos EUA do Afeganistão. O chefe do Comando Central disse que, embora as forças americanas tenham completado a evacuação de sua missão no país da Ásia Central, a missão diplomática ainda permanece lá, enquanto Washington trabalha para garantir a partida segura dos afegãos, cidadãos de outros países e cidadãos dos EUA elegíveis para viajar.

    • Entretanto, no dia anterior (30), o Conselho de Segurança da ONU, de 15 membros, adotou uma resolução que obriga o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) a honrar o compromisso de deixar as pessoas sair livremente do Afeganistão nos próximos dias e de dar acesso à ajuda da ONU e outras agências. A Rússia e a China se abstiveram, enquanto os outros 13 países votaram a favor. Mas eles não conseguiram um acordo sobre o apelo à criação de uma "zona segura" em Cabul. O segundo representante da China no Conselho, Geng Shuang, explicou a abstenção de seu país por este ter dúvidas quanto ao equilíbrio do conteúdo da resolução. A Rússia, por sua vez, não votou porque o documento não incluiu uma passagem sobre o terrorismo e não menciona a necessidade de combater o Estado Islâmico (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países), disse o embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nebenzya.
    Secretário de Estado americano Antony Blinken sai após apresentar notas sobre a situação no Afeganistão, Washington, 30 de agosto de 2021
    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Secretário de Estado americano Antony Blinken sai após apresentar notas sobre a situação no Afeganistão, Washington, 30 de agosto de 2021

    Talibã celebra derrota dos Estados Unidos

    Logo depois da retirada das últimas tropas norte-americanas do Afeganistão, os membros do movimento Talibã dispararam alegremente suas armas para o ar e ofereceram palavras de reconciliação na terça-feira (31), celebrando o fato de terem derrotado os Estados Unidos e voltado ao poder após duas décadas da guerra. "Parabéns ao Afeganistão [...] Esta vitória pertence a todos nós", disse aos jornalistas o porta-voz do Talibã Zabihullah Mujahid, algumas horas depois na pista do aeroporto. Mujahid também adicionou que a vitória do Talibã foi "uma lição para outros invasores". No entanto, o movimento prometeu por várias vezes uma administração mais tolerante e aberta em comparação com sua primeira estadia no poder, e Mujahid continuou falando sobre o assunto. Mesmo assim, conforme escreve a AFP, muitos afegãos receiam a repetição do regime inicial dos talibãs, entre 1996 e 2001, que foi infame por seu tratamento das meninas e mulheres, bem como por um sistema de justiça brutal.

    Porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, fala em frente da unidade militar Badri 313 no aeroporto de Cabul após a saída das tropas americanas, 31 de agosto de 2021
    © REUTERS / Talibã
    Porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, fala em frente da unidade militar Badri 313 no aeroporto de Cabul após a saída das tropas americanas, 31 de agosto de 2021

    Evo Morales cria 'Estado-Maior do Povo' na Bolívia para defender governo de Arce

    O ex-presidente boliviano Evo Morales (2006-2019) liderou na segunda-feira (30) o lançamento de um "Estado-Maior do Povo", constituído por organizações sindicais e sociais com objetivo de defender o atual "processo de mudança" e o governo democrático de Luis Arce. "As organizações sociais, sindicais e indígenas decidimos formar o Estado-Maior do Povo para o povo como um espaço de defesa da soberania e dignidade de nossa revolução democrática e cultural", anunciou Morales no final da reunião de dirigentes realizada em Cochabamba. A iniciativa surgiu em meio à tensão entre o governo oficial e a oposição conservadora, acrescentada pelo recente relatório internacional que denunciou os massacres políticos ocorridos nos primeiros dias do recente governo transitório de Jeanine Áñez (2019-2020) apoiado pela direita local. Mídias oficiais divulgaram a declaração do Estado-Maior com assinaturas de Morales e dirigentes nacionais dos sindicatos dos mineiros e petroleiros, junto com organizações de cooperativistas mineiros, mulheres camponesas e povos indígenas.

    Ex-presidente da Bolívia Evo Morales durante coletiva de imprensa em Cochabamba, Bolívia, 18 de agosto de 2021
    © REUTERS / Patricia Pinto
    Ex-presidente da Bolívia Evo Morales durante coletiva de imprensa em Cochabamba, Bolívia, 18 de agosto de 2021

    Queda de guindaste de torre no México deixa 5 mortos

    Cinco trabalhadores da construção morreram e mais dois ficaram feridos nesta segunda-feira (30), quando o braço de um guindaste que carregava uma estrutura de hastes metálicas quebrou e caiu sobre o lugar de uma obra viária, no estado central de México. A informação sobre vítimas foi dada pela diretora de Proteção Civil e Bombeiros, Victoria Arriaga, no município de Ecatepec. Os feridos foram transportados para o hospital privado Las Américas porque os trabalhadores acidentados não têm Segurança Social, já que era seu primeiro dia de trabalho, segundo a empresa construtora. "Eles não têm seguro e nós fornecemos os primeiros socorros; além disso, nos encarregamos da busca de recepção" no hospital privado, detalhou a funcionária. A tragédia ocorreu nas obras de construção de um viaduto elevado, na avenida que liga a estrada de Texcoco para Lechería, entidades do oeste do estado de México. Os trabalhadores efetuavam uma montagem de hastes de aço de 30 metros de comprimento para uma estrutura que seria pilar de uma ponte veicular, que se quebrou e caiu na obra administrada pelo governo do estado.

    Mais:

    VÍDEOS mostram suposto patrulhamento do Talibã a bordo de helicópteros Black Hawk dos EUA
    'Catastrófica retirada' irrita ex-oficiais dos EUA que exigem demissão dos chefes do Pentágono
    Mutação do SARS-CoV-2 ocorre quase uma vez por semana, revela estudo
    Tags:
    luz, Luis Arce, Evo Morales, vacinação, passaporte, vacina, COVID-19, novo coronavírus, Talibã, Afeganistão, EUA, ONU, tropas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar