07:41 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Mundo vs. pandemia do coronavírus no início de maio de 2021 (63)
    5240
    Nos siga no

    San Marino, um pequeno país sem acesso ao mar, surpreendeu seus vizinhos europeus quando começou a retirar as restrições contra a COVID-19 no meio de abril deste ano, poucos meses após adquirir doses da vacina russa Sputnik V contra o novo coronavírus.

    O país pode ser um dos menores Estados europeus, mas está vencendo a batalha contra a pandemia graças à vacina russa. San Marino, cuja população tem cerca de 34 mil pessoas, viu os casos da doença chegarem a quase zero, apesar de no final de março ainda registrar uma média de 50 casos por dia e ter retirado diversas restrições no meio de abril. Mesmo com restaurantes, bares e museus abertos para receber clientes e visitantes, sem toque de recolher imposto, o número de novas infecções continua baixo.

    As autoridades sanitárias de San Marino afirmam que a ampla vacinação com a Sputnik V é a principal razão para esse sucesso. O índice de vacinação da população adulta, com pelo menos uma dose, passa de 70% no país europeu. A campanha de imunização é a mais bem sucedida no continente.

    A Sputnik V foi usada em 90% das aplicações em San Marino, de acordo com o governo local. "Uma queda repentina dos casos" foi observada a partir de um mês desde o início da vacinação no país, no final de fevereiro, mesmo com a chegada da variante britânica. Segundo o Instituto de Segurança Social de San Marino, o número de casos per capita no país é hoje 44 vezes menor do que a média da União Europeia (UE).

    Em 6 de maio, com o sucesso da vacinação, o pequeno país fechou oficialmente a ala voltada à COVID-19 em seu principal hospital, uma vez que o último paciente testou negativo para a doença e recebeu alta.

    Gráfico mostra a queda abrupta de casos de COVID-19 em San Marino conforme avança o uso da vacina Sputnik V contra a doença
    © Sputnik / Sputnik Brasil
    Gráfico mostra a queda abrupta de casos de COVID-19 em San Marino conforme avança o uso da vacina Sputnik V contra a doença

    Sputnik V na União Europeia

    Em 19 de fevereiro, San Marino se tornou um dos primeiros países da Europa a aprovar a Sputnik V para uso emergencial, após Hungria e Montenegro. No caso da Hungria, as autoridades sanitárias foram as pioneiras do continente ao fechar um acordo de compra de 40 mil doses da vacina russa, ainda no início de fevereiro.

    Apesar disso, San Marino foi o primeiro país da UE a vacinar quase toda a população-alvo com a vacina russa, contando ainda com uma pequena porcentagem de uso do imunizante da Pfizer/BioNTech – que teve atraso nas entregas.
    Em San Marino, pessoas aguardam para serem vacinadas com a vacina russa Sputnik V contra a COVID-19, em 9 de abril de 2021
    © AP Photo / Antonio Calanni
    Em San Marino, pessoas aguardam para serem vacinadas com a vacina russa Sputnik V contra a COVID-19, em 9 de abril de 2021

    O primeiro lote da Sputnik V chegou a San Marino no final de fevereiro, com 7,5 mil doses destinadas aos grupos prioritários. A vacina, com eficácia comprovada de 91,6% na prevenção de sintomas da COVID-19, ainda aguarda a autorização da UE para ser usada no bloco europeu, que luta para acelerar seu programa de vacinação.

    Principais países do bloco enfrentam dificuldades na vacinação

    De maneira geral, a UE não conseguiu atingir o objetivo de vacinar 80% de seus trabalhadores até o final de março. Hoje, Malta e Hungria são os países do bloco com as maiores taxas de vacinação, enquanto outras nações, como a França, seguem registrando milhares de casos do novo coronavírus diariamente.

    Na Itália, país vizinho de San Marino, apenas 27% da população foi inoculada com pelo menos uma dose de vacina contra a COVID-19. O país segue com um toque de recolher noturno, mantendo fechadas as academias e os restaurantes sem espaços abertos.

    Em San Marino, ampolas da vacina russa Sputnik V contra a COVID-19 aguardam uso no Hospital Estatal do país, em 9 de abril de 2021
    © AP Photo / Antonio Calanni
    Em San Marino, ampolas da vacina russa Sputnik V contra a COVID-19 aguardam uso no Hospital Estatal do país, em 9 de abril de 2021

    Na França, 25% da população, de cerca de 68 milhões de pessoas, recebeu ao menos uma dose da vacina contra a COVID-19. A situação é semelhante na Alemanha, onde 32% dos habitantes estão vacinados com uma dose.

    A UE aprovou até agora o uso de quatro vacinas contra o novo coronavírus: Oxford/AstraZeneca, Johnson & Johnson, Moderna e Pfizer/BioNTech.

    Tema:
    Mundo vs. pandemia do coronavírus no início de maio de 2021 (63)

    Mais:

    Estados do Nordeste apresentam novos documentos à Anvisa para tentar liberar Sputnik V
    Guatemala recebe 1º lote da vacina russa Sputnik V contra a COVID-19 (VÍDEO)
    Em depoimento na CPI da Covid, Queiroga defende veto da Anvisa à Sputnik V
    Delegação do México visitará Moscou para discutir a produção da Sputnik V
    Tags:
    União Europeia, Rússia, Alemanha, França, Itália, COVID-19, San Marino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar