16:34 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    6419
    Nos siga no

    O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, qualificou como agressiva a decisão de Moscou de expulsar três diplomatas europeus.

    Borrell visitou a capital russa no início de fevereiro. Durante a visita, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou diplomatas da Suécia, Polônia e Alemanha "personae non grata" por terem participado de protestos sem autorização das autoridades russas. O chanceler russo, Sergei Lavrov, ressaltou que a expulsão não estava ligada à visita do chefe da diplomacia europeia.

    Na quarta-feira (31), em entrevista ao canal de televisão France 24, Borrell contou que "o objetivo [de minha viagem] era testar a atitude da Rússia com a União Europeia, e a resposta foi clara. A Rússia escolheu agressão ao expulsar diplomatas europeus durante a [minha] visita, o que contradiz todo o comportamento diplomático".

    Além disso, Borrell afirmou que o diálogo entre a Rússia e a União Europeia está "em um ponto morto".

    Os protestos não autorizados aconteceram em 23 de janeiro de 2021 em várias cidades da Rússia e continuaram em 31 de janeiro, apesar de múltiplos avisos das autoridades, incluindo sobre ameaças de infecção pelo novo coronavírus. Além disso, as manifestações ocorreram ainda em 2 de fevereiro durante e após sessão de tribunal de Moscou, que ocasionou na prisão do opositor russo Aleksei Navalny.

    Mais:

    Novas sanções dos EUA e da UE contra Rússia podem levar a nova Guerra Fria, diz político alemão
    EUA e UE chegam a acordo para coordenar ações em relação à Rússia
    Putin diz a Merkel e Macron que Rússia está pronta para restaurar interação com UE
    Tags:
    agressão russa, Rússia, UE, Josep Borrell
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar