07:52 28 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    527
    Nos siga no

    A Suprema Corte do Reino Unido autorizou os advogados do opositor venezuelano, Juan Guaidó, a recorrer da decisão do tribunal de apelação sobre o acesso às reservas de ouro que estão depositadas no Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês).

    "A permissão para apelar foi concedida em todos os pontos", confirmou à Sputnik nesta quinta-feira (10) a porta-voz da mais alta corte de jurisdição do Reino Unido.

    O ponto central da disputa questiona se o governo britânico passou a reconhecer o presidente Nicolás Maduro como mandatário legítimo do país, já que o Reino Unido já tratou Guaidó como "presidente interino".

    O tribunal de apelação encaminhou o caso ao Tribunal Comercial para solicitar esclarecimentos à chancelaria britânica sobre sua posição em relação a Guaidó.

    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, vota nas eleições parlamentares em Caracas, Venezuela, 6 de dezembro de 2020
    © REUTERS / Fausto Torrealba
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, votando nas eleições legislativas do país

    Em 5 de outubro, três juízes de apelação decidiram a favor da diretoria do Banco Central da Venezuela (BCV) nomeada pelo presidente Maduro e exigiram da parte contrária o pagamento provisório de 400 mil libras (R$ 2,7 milhões).

    Desde janeiro de 2019 que Caracas tem tentado recuperar 32 toneladas de barras de ouro, em valor estimado de US$ 1,8 bilhão (R$ 10,2 bilhões) a US$ 2 bilhões (R$ 11,4 bilhões), depositadas como reservas do BCV durante a presidência venezuelana de Hugo Chávez (1998-2013), e retidas pela entidade estatal britânica.

    No mesmo mês, Juan Guaidó se auto proclamou presidente interino da Venezuela. O movimento de Guaidó foi reconhecido por alguns países ocidentais, incluindo o Reino Unido. Rússia, China, Turquia, Irã e vários outros países reconhecem Nicolás Maduro como chefe do Executivo legal. Guaidó também pediu ao Banco de Inglaterra que impedisse acesso ao ouro pelo governo Maduro.

    Mais:

    Coalizão do governo obtém maioria nas eleições legislativas na Venezuela com 67,6% dos votos
    Itamaraty: Brasil e mais 15 países não reconhecem eleições legislativas na Venezuela
    EUA condenam eleições 'fraudulentas' na Venezuela, diz Pompeo
    Especialista não vê ameaça de intervenção em patrulhamento brasileiro na fronteira com Venezuela
    Tags:
    Nicolas Maduro, barras de ouro, ouro, Juan Guaidó, Reino Unido, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar