04:56 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4519
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia criticou no domingo as eleições locais em andamento na Crimeia como ilegítimas e pediu à comunidade internacional que condene a Rússia por organizar a votação.

    Neste domingo (13), várias regiões da Rússia, incluindo a Crimeia e Sevastopol, foram às urnas para eleger seus governadores e legisladores. A chancelaria da Ucrânia se posicionou a respeito nas redes sociais.

    ​O MFA [Ministério das Relações Exteriores] condena as chamadas 'eleições' conduzidas por ocupantes russos na temporariamente ocupada Crimeia. Elas são ilegítimas e seus resultados são nulos e sem valor. Apelamos à comunidade internacional para condenar as ações ilegais da Rússia. Todos os envolvidos enfrentarão responsabilidades legais.

    A Ucrânia considera as eleições na Crimeia uma violação de sua soberania e integridade territorial, disse o Ministério em um comunicado à imprensa, pedindo aos aliados estrangeiros e organizações internacionais que aumentem a pressão sobre Moscou e imponham sanções adicionais.

    Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia
    © Sputnik / Maksim Blinov
    Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia

    A península da Crimeia voltou à Rússia depois que quase 97% dos eleitores apoiaram a medida em um referendo de 2014. No entanto, as autoridades ucranianas insistem que o território foi ilegalmente anexado pela Rússia. Moscou aponta que a península é historicamente russa e depois que seus residentes expressaram sua vontade de se reunificar com a Rússia em um procedimento legítimo, a questão está "encerrada".

    Mais:

    Rússia abre concurso internacional que levará vencedores à Crimeia
    União Europeia prorroga por 6 meses sanções contra Rússia ligadas à Ucrânia
    Ucrânia determina que Apple retire aplicativos da Rossiya Segodnya de loja, informa empresa
    Tags:
    Sebastopol, Rússia, Ucrânia, Crimeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar