05:11 25 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    61811
    Nos siga no

    O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, disse nesta quarta-feira (29) que 11.900 membros das Forças Armadas do país vão deixar a Alemanha. 

    Do total de 11.900, cerca 5.600 tropas serão reposicionadas dentro de países da OTAN, e aproximadamente 6.400 regressarão para os Estados Unidos. 

    Segundo Esper, a base de Stuttgart será transferida para a Bélgica e um esquadrão de caças será movido para a Itália. As mudanças seguem ordens do presidente estadunidense, Donald Trump. A movimentação poderá começar dentro de alguns meses e custará bilhões de dólares.

    "Digo a vocês que isso vai conseguir cumprir o que o presidente disse em relação a reduzir nosso número [de tropas] na Europa, e atende seus outros objetivos que descrevi sobre a questão estratégia", disse Esper, segundo a agência Reuters. 

    Trump acusa o governo alemão de não cumprir compromissos de gastos em defesa da OTAN e de tirar vantagem no comércio com os EUA. Berlim, por sua parte, defende seus gastos no setor. 

    Elemento de 'dissuasão' russa

    Um dos objetivos do Pentágono é reforçar o flanco sudeste da OTAN, próximo ao mar Negro. Há ainda a possibilidade de algumas tropas serem enviadas para a Polônia e países bálticos, caso Varsóvia concorde. 

    Esper afirmou ainda que a mudança servirá como elemento de dissuasão da Rússia. 

    "Essas alterações vão inquestionavelmente cumprir com os princípios fundamentais de aumentar a dissuasão russa por parte da OTAN e dos Estados Unidos, reforçando a OTAN, tranquilizando aliados e aprimorando a flexibilidade estratégica dos Estados Unidos", disse Esper.

    No mês passado, Trump anunciou planos de cortar o número de tropas norte-americanas na Alemanha para 25.000. Atualmente, 34.500 integrantes das Forças Armadas dos Estados Unidos servem no país europeu. 

    Mais:

    Ex-funcionário do Pentágono revela possibilidades de nazistas terem fugido para Lua
    Rússia se fortalece no Ártico, já estratégias da OTAN e Noruega seguem obsoletas, diz especialista
    Alemanha quer manter laços de defesa com o Reino Unido mesmo após o Brexit
    'Nos tornamos negligentes': autoridade pede atenção contra aumento de casos de COVID-19 na Alemanha
    Tags:
    Mar Negro, Polônia, Bélgica, Itália, Alemanha, Pentágono, forças armadas, exército, Mark Esper, Rússia, OTAN, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar