08:38 03 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1727
    Nos siga no

    O Conselho Nacional de Comunicação Social Eletrônica da Letônia proibiu a transmissão de sete canais do grupo RT (Russia Today) baseando-se nas sanções impostas pela União Europeia (UE) contra Dmitry Kiselev, diretor-geral da agência Rossiya Segodnya.

    "Após receber a informação de que o canal russo mais influente RT (Russia Today) está sob controle de Dmitry Kiselev, que foi sancionado pela UE, o Conselho Nacional de Comunicação Social Eletrônica decidiu proibir a transmissão de sete canais do grupo RT na Letônia. Vamos apelar a outros reguladores da mídia na UE a fazer o mesmo", escreveu o órgão.

    A proibição inclui os canais RT, RT HD, RT Arabic, RT Spanish, RT Documentary HD, RT Documentary e RT TV.

    O cubo com o logotipo do canal RT
    © Sputnik / Konstantin Chalabov
    O cubo com o logotipo do canal RT

    A decisão entrará em vigor a partir da adoção até o momento em que Dmitry Kiselev for excluído da lista de sanções da UE.

    Vale ressaltar que o jornalista e apresentador de TV russo é o diretor-geral da agência de notícias internacional Rossiya Segodnya, da qual o RT não faz parte.

    O RT é um canal de televisão informativo russo, que transmite 24 horas por dia e que foi criado em 2005 para emissão internacional em inglês, árabe, espanhol e francês.

    Esta não é a primeira manifestação de discriminação contra a mídia russa nos países bálticos.

    Desde 1º de janeiro, a Estônia proibiu o trabalho do escritório editorial da Sputnik em Tallinn, ameaçando os funcionários com processos criminais. Na Letônia, os funcionários da Sputnik também são pressionados por representantes dos serviços de inteligência.

    Mais:

    Jornalista da Sputnik é atingida por balas de borracha da polícia em protesto nos EUA (FOTOS, VÍDEO)
    Reportagem da Sputnik França conquista prêmio internacional Shorty Awards
    Tags:
    Letônia, países bálticos, mídia, mídia russa, canais, televisão, RT
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar