18:09 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Situação do mundo com COVID-19 em meados de junho (50)
    251
    Nos siga no

    Autoridades e especialistas da União Europeia disseram nesta quinta-feira (11) que a Europa pode enfrentar uma segunda onda de infecções por COVID-19 nas próximas semanas por conta dos protestos realizados nos últimos dias.

    Diversas cidades no continente foram palcos de manifestações em apoio aos protestos que ocorriam nos Estados Unidos contra o racismo após o assassinato de George Floyd, homem negro morto pelas mãos da polícia.

    Ao ser questionado se pode haver um aumento de infecções nos próximos 15 dias, Jozef Kesecioglu, que preside a Sociedade Europeia de Medicina de Tratamento Intensivo respondeu: "Sim, mas espero estar errado."

    "Se você aconselha todos a ficarem a um metro e meio uns dos outros e no final todo mundo fica perto dos outros, se abraçando, então não tenho um bom pressentimento disso", disse Kesecioglu, citado pela agência Reuters.

    Antes dos protestos, a segunda onda do novo coronavírus era esperada para ocorrer somente depois do terceiro trimestre de 2020.

    "Como em qualquer doença respiratória infecciosa, eventos em massa podem ser uma grande rota de transmissão", disse Martin Seychell, autoridade de saúde da Comissão Europeia.

    A maioria dos 27 países da União Europeia já passou pelo pico da pandemia e está começando a abrir as fronteiras e os comércios locais.

    Tema:
    Situação do mundo com COVID-19 em meados de junho (50)

    Mais:

    Apesar de proibição, dezenas de milhares vão às ruas de Paris contra o racismo (FOTOS)
    União Europeia pede que EUA reconsiderem decisão de sair da OMS
    Itália suspende restrições de viagens entre regiões e espera primeiros turistas da Europa
    Sábado de protestos na Europa: Lisboa reúne milhares contra racismo em evento pacífico (FOTOS)
    Tags:
    doença, pandemia, Europa, novo coronavírus, União Europeia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar