07:01 15 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    3210
    Nos siga no

    O comércio entre Portugal e a Rússia tem crescido de forma positiva nos últimos anos e é do interesse de ambos os países aumentá-lo ainda mais.

    Esta constatação é do embaixador português na Rússia, Paulo Vizeu Pinheiro, em declarações prestadas à Sputnik.

    Em 2018, o comércio entre Moscou e Lisboa atingiu quase 1,5 bilhão de dólares (cerca de 6,52 bilhões de reais), o que representa um ligeiro aumento em relação a 2017.

    Quanto a 2019, o balanço dos primeiros meses, já apurados, reflete a continuação dessa tendência de ligeiro incremento.

    Contudo, o embaixador vê na maior diversificação de produtos um sinal positivo.

    "Vejo que há uma espécie de diversificação de alguma forma" com "alguns segmentos evoluindo mais rapidamente do que outros", disse o embaixador, defendendo que "a tendência comercial entre os dois países é de aumentar em todos os domínios possíveis".

    Estas declarações foram proferidas por Pinheiro à margem da Prodexpo em Moscou, uma feira dedicada à indústria de alimentos e bebidas.

    Diálogo frequente e espaço comum de Lisboa a Vladivostok

    Manifestando desejo de um diálogo profícuo entre os dois países, Pinheiro relembrou que o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, assinou um memorando de entendimento com o seu homólogo português, estando previstas reuniões anuais para consultas.

    "Portugal e a Rússia têm uma relação estreita, seja política, econômica ou cultural. As nossas sociedades conhecem-se. No ano passado, celebrámos o 240º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas", disse o embaixador.

    Pinheiro prosseguiu, frisando que ambos os países têm uma visão de desenvolvimento global, relembrando igualmente a iniciativa proposta pelo presidente russo, Vladimir Putin, de criação de um espaço comum de diálogo e cooperação econômica de Lisboa a Vladivostok.

    O embaixador elogiou o plano do presidente russo como fazendo "muito sentido", uma vez que ambos os países fazem parte do megacontinente euroasiático.

    Chanceler russo Sergei Lavrov com seu homôlogo português Augusto Santos Silva
    © AFP 2020 / Vasily MAXIMOV / AFP
    Chanceler russo Sergei Lavrov com seu homôlogo português Augusto Santos Silva

    No final de 2018, Lavrov visitou Portugal pela primeira vez em 10 anos, tendo se reunido com o seu homólogo português, Augusto Santos Silva.

    Ambos os ministros concordaram na necessidade de promover o diálogo Lisboa–Moscou no seio da OTAN e da União Europeia e em impulsionar a cooperação econômica.

    Quando terá lugar a próxima reunião?

    Segundo o embaixador Pinheiro, estão decorrendo os trabalhos preparatórios do próximo encontro entre os dois ministros, bem como da reunião ordinária da Comissão Intergovernamental Mista de Cooperação Econômica-Técnica.

    "Estamos organizando, temos de conciliar as agendas, mas há uma vontade comum [dos ministros] se encontrarem", disse Pinheiro.

    Devido à recente remodelação do gabinete russo, a questão de quem presidirá à referida Comissão Intergovernamental Mista de Cooperação Econômica-Técnica do lado russo ainda está por definir, de acordo com o embaixador.

    Lisboa e Moscou assinaram em 2017 um Acordo Intergovernamental sobre a Cooperação Econômica e Técnica para o desenvolvimento do comércio e da cooperação econômica, bem como para criar condições favoráveis ao reforço da cooperação.

    A cooperação nas áreas da construção de estradas, agricultura, proteção do ambiente, aviação civil e altas tecnologias foi eleita como estratégica por ambos os países.

    Mais:

    Rússia e Venezuela negociam cooperação no setor agrícola
    Militares russos realizarão inspeção em Portugal
    Rússia quer cooperação e estabilidade com EUA e UE, diz chanceler após sanções
    Tags:
    cooperação bilateral, cooperação comercial, cooperação, cooperação técnica, Augusto Santos Silva, Sergei Lavrov, Rússia, Portugal, Embaixada de Portugal na Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar