01:13 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente Jair Bolsonaro durante coletiva de imprensa após evento do Dia da Vitória, no Rio de Janeiro

    'Ataques' de Bolsonaro contra índios e florestas podem melar acordo entre UE e Mercosul

    © Sputnik / Thiago de Araújo
    Europa
    URL curta
    441
    Nos siga no

    Centenas de grupos ativistas pediram nesta terça-feira à União Europeia (UE) que "interrompa imediatamente as negociações" para um acordo comercial com os países do Mercosul por conta do suposto dano do Brasil a seus povos indígenas e florestas tropicais.

    O apelo de mais de 340 grupos poderia complicar ainda mais a tentativa da UE de concluir 20 anos de negociações para um acordo de livre comércio com o Brasil e seus parceiros do Mercosul como Argentina, Uruguai e Paraguai.

    Em uma carta aberta, o Greenpeace e uma série de ONGs da Europa e da América Latina lembraram à UE que já havia suspendido as preferências comerciais com Mianmar e as Filipinas por supostos abusos contra os direitos humanos.

    "É hora de a UE adotar uma postura semelhante e dura para evitar uma deterioração dos direitos humanos e da situação ambiental no Brasil", informaram os ativistas por meio de uma carta. "Portanto, pedimos que vocês interrompam imediatamente as negociações para um acordo de livre comércio UE-Mercosul", acrescentou.

    O comunicado pediu a Bruxelas para "garantir que nenhum produto brasileiro vendido na UE, nem os mercados financeiros que os sustentam, estão levando a aumentos no desmatamento, grilagem de terras nativas ou violações de direitos humanos".

    A carta também pedia o fim das negociações comerciais até que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, assuma compromissos concretos para implementar o acordo climático de Paris em 2015.

    A comissária europeia para o comércio, Cecilia Malmstrom, declarou a jornalistas na segunda-feira que as autoridades da UE estão em contato próximo com o crescente número de ONGs que expressam preocupação.

    Autoridades da UE "ouviram e tentaram ver o que podemos fazer", disse a comissária sueca.

    "Existem algumas medidas tomadas no Brasil com as quais certamente não concordamos e um acordo comercial não pode resolver todas as misérias do mundo", avaliou Malmstrom.

    "Mas podemos obter um contexto para discutir essas questões. Estamos certamente tentando obter um capítulo sobre comércio e desenvolvimento sustentável que seja o mais ambicioso possível, mas ainda não está pronto", completou.
    O brasileiro Bolsonaro e o argentino Mauricio Macri expressaram confiança no início deste mês de que o acordo será assinado em breve.

    Malmstrom afirmou que os dois blocos estão perto de um acordo e manifestou a esperança de que possa ser alcançado antes que a atual Comissão Europeia pare em novembro.

    O principal obstáculo tem sido a relutância europeia em abrir seu mercado a produtos agrícolas da América do Sul e, mais recentemente, surgiram diferenças com o Brasil sobre o comércio de carne, açúcar e automóveis.

    Mais:

    Brasil com mais acordos bilaterais pode impactar o seu futuro no BRICS e no Mercosul?
    Moeda comum do Mercosul: 'Irresponsabilidade por parte de Bolsonaro'
    Mercosul cede demais em acordo com União Europeia e negócio pode não ser vantajoso, diz especialista
    Tags:
    preservação, meio ambiente, Índios, protecionismo, economia, comércio, acordo, Cecilia Malmstrom, Mauricio Macri, Jair Bolsonaro, Paraguai, Uruguai, Argentina, Mercosul, União Europeia, Europa, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar