00:33 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Annegret Kramp-Karrenbauer (CDU)

    Potencial sucessora de Merkel rebate Macron e descarta salário mínimo europeu

    © AP Photo / Michael Sohn
    Europa
    URL curta
    310
    Nos siga no

    A líder do Partido Democrata-Cristão (CDU) da Alemanha respondeu às ideias do presidente francês Emmanuel Macron para um "renascimento europeu", oferecendo alguma sobreposição com sua visão, ao mesmo tempo em que advertiu contra muita centralização.

    Sob o título "Fazendo o certo pela Europa", Annegret Kramp-Karrenbauer fez eco a Macron ao pedir uma reforma da política de migração da União Europeia (UE), mas rejeitou sua ideia de um salário mínimo europeu e advertiu contra as dívidas coletivas.

    A resposta de Kramp-Karrenbauer a Macron preenche uma lacuna deixada pela chanceler Angela Merkel, que está sob pressão de seu partido para se envolver com ele mais completamente depois de deixar seu porta-voz para simplesmente dizer que a Alemanha apoia discussões sobre o futuro da UE.

    "Nossa Europa precisa se fortalecer", escreveu Kramp-Karrenbauer, que sucedeu Merkel como líder da CDU em dezembro, em um artigo de opinião para o semanário Welt an Sonntag.

    Mas acrescentou: "O centralismo europeu, o estatismo europeu, a coletivização das dívidas, a europeização dos sistemas sociais e o salário mínimo seriam o caminho errado".

    Isso pareceu contrariar o pedido de Macron por um salário mínimo europeu, adaptado a cada país, e também destacou a resistência arraigada em Berlim a qualquer movimento que pudesse tornar a Alemanha responsável pelas dívidas de outros países.

    As propostas de Macron, reveladas em uma carta aberta aos cidadãos da Europa, publicada esta semana em jornais da UE, visam proteger e defender os cidadãos da Europa, dando ao bloco de 28 nações um novo ímpeto diante da competição global.

    Desde que venceu as eleições como presidente da França em 2017, Macron defendeu a reforma da UE, mas a cautela em Berlim em relação ao aumento do ônus sobre os contribuintes alemães o deixou aquém das medidas mais fortes.

    Apresentando suas ideias, Kramp-Karrenbauer, que é a protegida de Merkel e está na pole position para sucedê-la como chanceler, pediu um mercado interno europeu para garantir que as empresas europeias possam obter financiamento na UE.

    Ela também disse que um orçamento conjunto de inovação da UE deve financiar novas tecnologias, brechas fiscais devem ser fechadas no bloco e um imposto digital introduzido com base no modelo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

    Kramp-Karrenbauer, como Macron, pediu uma reforma da política de migração, mas sublinhou que combater a migração na sua origem, proteger as fronteiras externas da Europa e absorver requerentes de asilo são papéis que devem ser partilhados de forma justa.

    Ela acrescentou: "No futuro, a UE deve estar representada com um assento permanente comum no Conselho de Segurança das Nações Unidas".

    Mais:

    Americanos vão precisar de visto para entrar na União Europeia a partir de 2021
    União Europeia exclui apoio a qualquer escalada militar na Venezuela
    Soros alerta: se União Europeia não acordar, pode ter o mesmo fim da União Soviética
    Tags:
    salário mínimo, imigração, diplomacia, reforma, ONU, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), CDU, União Europeia, Emmanuel Macron, Angela Merkel, Annegret Kramp-Karrenbauer, Europa, França, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar