04:24 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Chanceler Angela Merkel visita tropas alemãs no Afeganistão

    Metade do Exército alemão reúne inaptos, desmotivados e estrangeiros, diz mídia

    © AP Photo / Pool/ Michael Kappeler
    Europa
    URL curta
    422

    As Forças Armadas alemãs são atormentadas por vários erros nos dias de hoje, e há mais um - surgiu a informação de que apenas metade dos potenciais recrutas são adequados para o serviço, revelou o tabloide Bild am Sonntag. Os demais são supostamente inaptos ou não têm passaporte alemão.

    As más notícias sobre o estado imperfeito da Bundeswehr estão saindo regularmente, mas parece ser ainda pior, de acordo com a publicação. Citando documentos do Exército interno, a outorga escreve que apenas metade dos 760.000 de potenciais recrutas é elegível para servir.

    Os demais jovens candidatos não têm cidadania alemã, não cumprem os padrões mínimos de aptidão ou rejeitam a ideia de serviço militar. Enquanto isso, o próprio Exército se recusou a reconhecer o problema, dizendo ao Bild: "Estamos no caminho certo".

    A realidade, no entanto, parece obscura já que cerca de 25.000 empregos no Exército estão em disputa devido à falta de pessoal disponível. Além disso, uma em cada cinco posições civis no Bundeswehr permanece vago.

    Profissionais de tecnologia da informação (TI) ou médicos são mais procurados no Bundeswehr, mas há uma falta de outros especialistas, como nadadores de combate. Dito isso, a escassez de pessoal é tão terrível que os militares estão recrutando quase todos que cumprem seus critérios mínimos.

    O Bild citou um documento de estratégia do Boston Consulting Group compilado para o Ministério da Defesa, que disse que apenas um em cada quatro candidatos foi contratado em 2015. Dois anos depois, cada segundo candidato foi considerado robusto o suficiente para servir.

    A Bundeswehr reduziu significativamente sua mão-de-obra desde a Guerra Fria, especialmente depois que o recrutamento foi abolido em 2011. Desde então, o Ministério da Defesa tem lutado para preencher o Exército, pois os alemães relutam em se juntar ao exército por livre e espontânea vontade.

    A escassez de alemães disponíveis levou os estrategistas militares de Berlim a olhar para os estrangeiros. A Bundeswehr agora está considerando o recrutamento de cidadãos da União Europeia (UE) para determinados cargos como uma opção — e a ideia não convencional parece viável para alguns políticos alemães.

    Estima-se que 530.000 cidadãos da UE vivem atualmente na Alemanha, e eles poderiam constituir um pool de recrutamento considerável para o Exército alemão. No entanto, o plano foi recebido com poucos elogios por outras nações da UE, particularmente na Europa Oriental.

    A Bulgária disse estar preocupada com a perspectiva de sua juventude educada sendo atraída para se juntar à Bundeswehr, enquanto o ministro de Relações Exteriores da Polônia, Jacek Czaputowicz, também criticou os planos de Berlim dizendo que qualquer serviço militar é tradicionalmente "estreitamente relacionado à nacionalidade".

    Além disso, a Bundeswehr também está lutando com grandes problemas em relação ao armamento. Em novembro de 2018, os militares admitiram que dos quase 100 equipamentos entregues naquele ano, apenas 38 estavam em pleno funcionamento.

    Mais:

    Mídia: 'fome' de profissionais faz Alemanha pensar em recrutar soldados estrangeiros
    Merkel é contra reintroduzir o serviço militar obrigatório na Alemanha
    Alemanha reconhece que maior parte do seu equipamento militar está inoperacional
    Tags:
    segurança, defesa, tropas, recrutamento, Bundeswehr, Jacek Czaputowicz, Europa, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar