02:23 26 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Luigi Di Maio, vice premiê da Itália

    França convoca embaixador em Roma após comentários de vice-premiê italiano

    © AP Photo / Domenico Stinellis
    Europa
    URL curta
    148

    A França convocou seu embaixador na Itália para protestar contra os comentários do vice-primeiro-ministro italiano Luigi Di Maio, que acusou Paris de continuar colonizando a África e levar as pessoas a migrarem do continente, disse uma fonte do governo à AFP.

    O embaixador foi convocado nesta segunda-feira (21) após os comentários "inaceitáveis ​​e infundados" de Di Maio,  disse à AFP uma fonte do gabinete da ministra francesa da Europa, Natalie Loiseau, sob condição de anonimato.

    Di Maio fez uma série de observações incendiárias enquanto visitava a região de Abruzzo, no centro da Itália. Foi o mais recente episódio de sérias tensões entre o governo populista de Roma e o líder centrista da França Emmanuel Macron.

    "A União Europeia deve sancionar a França e todos os países como a França, que empobrecem a África e fazem com que essas pessoas partam, porque os africanos deveriam estar na África, não no fundo do Mediterrâneo", disse Di Maio. "Se as pessoas estão indo embora hoje, é porque os países europeus, a França acima de tudo, nunca pararam de colonizar dezenas de países africanos", acrescentou.

    Respondendo à convocação de seu embaixador em Paris, Di Maio descartou a idéia de um "incidente diplomático" entre os dois países.

    "A França é um desses países que, porque imprime a moeda de 14 países africanos, dificulta o desenvolvimento e contribui para a saída de refugiados", disse ele, citando um argumento comumente ouvido entre alguns ativistas de esquerda. "Se a Europa quiser ser corajosa, deve ter a coragem de enfrentar a questão da descolonização na África."

    A Organização Internacional para as Migrações disse neste fim de semana que mais de 100 pessoas estão desaparecidas depois que um barco que transportava migrantes virou na costa da Líbia.

    A marinha italiana levou três sobreviventes à ilha mediterrânea de Lampedusa.

    A Itália fechou seus portos para barcos que trabalham no resgate de refugiados que naufragam no Mediterrâneo e defende uma postura linha-dura contra a imigração.

    Depois de fazer comentários criticando o governo italiano e sua abordagem à imigração no ano passado, Macron e o governo francês, desde então, evitaram entrar em disputas com Roma.

    Mas as relações entre as duas capitais, geralmente próximas, se deterioraram desde que a coalizão entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga conseguiram eleger o primeiro governo populista da União Europeia, em junho do ano passado. 

    Di Maio e o vice-primeiro-ministro Matteo Salvini, do partido Liga, recentemente apoiaram os  "coletes amarelos" que protestam contra o governo de Macron desde novembro.

    Mais:

    Mídia: Índia planeja comprar mais de 3 mil mísseis antitanque da França
    300 pessoas são presas na França durante 10º fim de semana de protestos em todo o país
    Forte explosão de gás provoca incêndio em universidade da França (FOTOS, VÍDEOS)
    Após volta de Battisti, vice-chanceler italiano pede que França entregue terroristas
    Tags:
    Emmanuel Macron, Luigi Di Maio, França, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar