16:39 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Tanques ucranianos na região de Donbass

    Ministro alemão celebra acordo de cessar-fogo de Ano Novo no leste da Ucrânia

    © AP Photo / Irina Gorbaseva
    Europa
    URL curta
    260

    O ministro alemão de Relações Exteriores, Heiko Maas, saudou nesta quinta-feira o acordo recentemente firmado sobre o cessar-fogo do Ano Novo na região ucraniana oriental de Donbass.

    As partes do conflito ucraniano conseguiram chegar a um acordo sobre o cessar-fogo a partir deste sábado.

    "É bom que as partes no conflito no leste da Ucrânia tenham concordado com um cessar-fogo no inverno. Isso deve ser respeitado na perspectiva de longo prazo. Continuamos a nos concentrar em medidas humanitárias para reduzir o sofrimento das pessoas nos meses de inverno", disse Maas, conforme citado pela página do Ministério de Relações Exteriores da Alemanha no Twitter.

    O conflito no Donbass começou em 2014, quando as autoridades ucranianas lançaram uma operação militar contra a República Popular de Donetsk (DPR) e a República Popular de Luhansk (LPR), que se recusaram a reconhecer o novo governo em Kiev que chegou ao poder depois do que consideraram ser um golpe.

    Em fevereiro de 2015, as partes em conflito assinaram os acordos de paz de Minsk para acabar com os combates na região, mas a situação permaneceu tensa, com ambas as partes acusando-se mutuamente de violações do cessar-fogo.

    As partes no conflito chegaram a mais de 20 acordos de cessar-fogo dentro de alguns anos, mas isso não melhorou significativamente a situação na região.

    Mais:

    Poroshenko decreta fim da lei marcial nas regiões da Ucrânia na fronteira russa
    EUA querem a reeleição de Poroshenko na Ucrânia, revela secretário russo
    Ucrânia recebeu equipamento de comunicação moderno da OTAN, diz ministro
    Tags:
    conflito ucraniano, Ano Novo, cessar-fogo, diplomacia, Heiko Maas, Kiev, Alemanha, Donbass, República Popular de Lugansk, República Popular de Donetsk, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar