08:04 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Der polnische Außenminister Jacek Czaputowicz (Archiv)

    França é o 'homem doente da Europa' hoje, ataca ministro da Polônia

    © AP Photo / Czarek Sokolowski
    Europa
    URL curta
    672

    A França é o novo "homem doente da Europa", afirmou o ministro de Relações Exteriores da Polônia, citando os distúrbios dos coletes amarelos e o recente ataque jihadista em Estrasburgo. A Polônia, por outro lado, é um "ponto brilhante" do continente, prosseguiu.

    Os problemas da França estão prejudicando toda a região, declarou Jacek Czaputowicz ao canal de TV Polsat News na última segunda-feira.

    "A França é o homem doente da Europa, é um empecilho para a Europa, enquanto a Polônia é um ponto brilhante", pontuou.

    O ataque terrorista em Estrasburgo, que deixou cinco pessoas mortas, bem como os protestos dos coletes amarelos que vêm acontecendo nas últimas semanas, provam "que algo não está certo na França", segundo o chanceler polonês.

    Ao mesmo tempo, "a retirada do presidente [francês Emmanuel] Macron das reformas do Estado" — causada pela pressão dos manifestantes — também é uma coisa "triste".

    O título nada invejável de "o homem doente da Europa" foi cunhado em meados do século XIX e originalmente se referia ao Império Otomano, enquanto os outros impérios poderosos de outrora circulavam pelo Estado decadente.

    Quando o Império Otomano entrou em colapso após a Primeira Guerra Mundial, muitos países europeus foram rotulados de "doentes" quando passaram por vários problemas domésticos.

    A própria França não recebe pela primeira vez a questionável 'honra'. No final dos anos 2000, o país foi designado assim em um relatório do banco estadunidense Morgan Stanley, enquanto a mídia europeia se referiu à França por esse "título" em meados de 2010.

    Mais:

    Mídia: Rússia usaria base americana na Polônia para aumentar seu poder militar
    Embaixador israelense diz esperar que Polônia transfira embaixada para Jerusalém
    Embaixadora dos EUA chama Polônia de 'bastião de defesa' contra a Rússia
    Tags:
    violência, crítica, diplomacia, Morgan Stanley, União Europeia, Emmanuel Macron, Jacek Czaputowicz, Império Otomano, Polônia, França, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar