06:39 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Líder chinês Xi Jinping e premiê português António Costa durante encontro no Palácio de Queluz, Portugal, 5 de dezembro de 2018

    Como Portugal pode ajudar China a dominar economicamente o mundo

    © REUTERS / Rafael Marchante
    Europa
    URL curta
    Caroline Ribeiro
    10311

    O presidente chinês, Xi Jinping, cumpre agenda oficial de dois dias – de 4 a 5 de novembro – na capital portuguesa. A visita tem valor simbólico – Portugal e China celebram 40 anos de relações diplomáticas em fevereiro de 2019 – mas é estratégica para as ações da política externa chinesa.

    A expectativa é para que, durante a visita, sejam estabelecidos acordos entre os dois países que atraiam novos investimentos chineses para Portugal estratégicos para o avanço do projeto "Uma Faixa, Uma Rota", iniciativa do governo сhinês que pretende investir em infraestruturas terrestres e marítimas para ampliar o fluxo de comércio da China com o mundo.

    A inspiração vem da histórica Rota da Seda. Séculos atrás, as trocas comerciais entre Ásia, Mediterrâneo e África eram realizadas por caminhos desbravados por mercadores chineses que abriram a porta para a ascensão da China como potência econômica mundial da época.

    Colheita de soja no Brasil, produto de exportação para o mercado chinês
    Fotos Públicas / Palácio Piratini / Camila Domingues
    A chamada Nova Rota da Seda "tem como objetivo a construção de infraestruturas ao longo de linhas de caminhos de ferro que vão passando em toda a Ásia central, em duas linhas, mas que acabam em Madri, na Espanha. No caso marítimo, é uma lógica que atravessa vários países da Ásia, alguns da África Oriental, entra pelo mar Vermelho, passa o Canal de Suez e culmina na Itália", explica à Sputnik Brasil o especialista em relações internacionais e diretor-executivo do Clube de Lisboa, Fernando Cardoso.

    O ponto-chave de Portugal para fisgar os investidores chineses é o porto de Sines, cidade ao sul de Lisboa. "É um dos dois portos de águas profundas que a Europa tem. O porto, neste momento, está em expansão e tem possibilidade para muito mais. É ótimo para grandes navios contentores e para os que transportam gás. Uma ligação, quer por terra ou por mar, que levasse até lá poderia transformar aquela região num polo econômico importante", analisa o especialista.

    O porto de Sines representa um grande ativo português para ajudar a China na execução do plano internacional. "A China tem investimentos superiores na Alemanha, França, Holanda, Itália e Finlândia. Portugal é o único caso em que há uma vertente Atlântica muito forte. Apesar de ser menor, tem uma possibilidade de dar uma grande abertura para as Américas e África e isso é estratégico. Os chineses pensam a longo prazo", completa o especialista.

    Xi Jinping, líder chinês, com presidente português Marcelo Rebelo de Sousa durante a visista a Portugal realizada em 4 e 5 de dezembro de 2018
    © REUTERS / Rafael Marchante
    Xi Jinping, líder chinês, com presidente português Marcelo Rebelo de Sousa durante a visista a Portugal realizada em 4 e 5 de dezembro de 2018

    Investimentos

    Atualmente, Portugal é o país que concentra o segundo maior investimento chinês na União Europeia por Produto Interno Bruto, perdendo apenas para a Finlândia. São seis bilhões de euros, que representam 3,1% do PIB português.

    A cifra foi acumulando nos últimos 17 anos, com o ápice logo depois da crise de 2008. Quando Portugal se viu sem saída e obrigado a pedir um resgate financeiro — a chamada Troika — para sobreviver, a China aproveitou. "O que aconteceu foi meia dúzia de operações de aquisição de capital em grandes empresas portuguesas, algumas sendo as mais prestigiadas marcas na sua área econômica", explica à Sputnik Brasil o secretário-geral da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa, Sérgio Alves.

    O maior interesse dos portugueses atualmente é fazer com que os investimentos chineses se diversifiquem. As aquisições até o momento têm sido a compra de ativos já existentes, em redes de energia elétrica, energias alternativas, companhias seguradoras, bancos, e na área da saúde. "A nossa expectativa é que haja investimentos geradores de bens transacionáveis e de empregos", completa Sérgio Alves.

    No caso da presença chinesa no porto de Sines, o interesse de Portugal vai além. "No início da próxima década aparentemente haverá um acordo que será firmado nas Nações Unidas de alargamento das plataformas marítimas, muito mais vastas do que as atuais 200 milhas de soberania dos Estados. Portugal, pela sua extensa zona marítima, que inclui as ilhas da Madeira e dos Açores, poderia aumentar em cerca de dez vezes o seu território. Com a prevista saída do Reino Unido, Portugal seria o país com a maior plataforma marítima de toda a Europa. O que significa que todos estes possíveis alargamentos com investimentos chineses entram num quadro em que o posicionamento de Portugal, do ponto de vista da Europa e do Atlântico, vai ser muito reforçado", diz o especialista Fernando Cardoso.

    Despertar chinês

    O pioneirismo conquistado pela China nos séculos da Rota da Seda pareceu adormecer durante alguns anos. "A China foi a última potência mundial a organizar um ministério das Relações Exteriores, na última década do século XIX", disse o ex-vice-primeiro-ministro de Portugal, Paulo Portas, durante uma conferência que analisou a política externa chinesa, organizada pelo Clube de Lisboa, nesta terça-feira (4), data da chegada de Xi Jinping ao país.

    A retomada do processo de crescimento veio no século XX. "A China é o país que mais tem aproveitado as oportunidades da globalização. Em 1980, a China representava 0,8% do comércio mundial de mercadorias. 37 anos depois, representa 12%. Se tornou, em menos de 40 anos, a primeira no ranking", disse Paulo Portas.

    Para os especialistas, Portugal não deve só atrair, mas também procurar se firmar dentro do território chinês. "Nós temos muito campo para conquistar na China. A Irlanda, que tem menos população que Portugal, tem uma balança comercial maior com o país. Portugal pode exportar muito mais", diz o secretário da Câmara Luso-Chinesa.

    Um reforço importante para essa penetração pode ser o governo de Macau, região administrativa do território chinês que durante três séculos pertenceu a Portugal. No último dia 26 de novembro, o governo de Macau divulgou que quer incentivar parcerias entre empresas brasileiras, portuguesas e locais para operarem no interior da China.

    "É natural que seja dali que surjam essas joint ventures que possam juntar gente de todo lado e é uma porta de entrada mais fácil para os portugueses chegarem à China. É uma região que tem um regime fiscal diferente, igual ao Congo, que oferece a mesma condição jurídica para as empresas e serve de porta de entrada para o território", analisa Sérgio Alves.

    Mais:

    Especialista americano prevê 'processo perigoso' na disputa entre EUA e China
    'Cessar-fogo': EUA e China anunciam trégua de 90 dias para guerra comercial
    UE continuará trabalhando com Rússia e China para garantir operações financeiras com Irã
    Tags:
    economia, cooperação bilateral, António Costa, Marcelo Rebelo de Sousa, Xi Jinping, Europa, Portugal, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik