09:00 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Homem participa dos protestos na França, em 17 de novembro de 2018

    Quase 300 mil franceses protestaram em todo o país neste sábado, 400 ficaram feridos

    © AFP 2018 / FRANCOIS LO PRESTI
    Europa
    URL curta
    8161

    Mais de 400 pessoas ficaram feridas nas ações de protestos que abalaram as cidades francesas no sábado (17), informou o ministro do Interior do país Christophe Castaner.

    Manifestações maciças contra o aumento dos preços do combustível decorreram na França, resultando em detenções, ferimentos e até em uma morte — a mulher que morreu foi atropelada nas barricadas por uma motorista que ficou em pânico em frente de uma barreira na estrada e não conseguiu controlar seu veículo.

    ​"No decorrer das manifestações ficaram feridas 409 pessoas, entre elas 14 com ferimentos graves", disse o titular da pasta, citado pela estação de rádio RTL.

    Ele frisou que 28 policiais, gendarmes e bombeiros também receberam ferimentos durante os confrontos.

    ​De acordo com o ministro, dos protestos participaram mais de 287 mil cidadãos em mais de 2 mil cidades e povoados da França. Aliás, em resultado das manifestações foram detidas 282 pessoas, 157 delas estão agora sob custódia policial.

    ​O movimento associado ao protesto é chamado de "Gilets Jaunes" (Coletes Amarelos). O nome alude aos coletes fluorescentes que na França, por lei, cada cidadão é obrigado a portar no seu veículo.

    ​Os dados sobre o aumento dos preços diferem. Porém, conforme as informações relatadas pela emissora Europe1, por exemplo, ao longo do ano de 2018 o preço do diesel aumentou 23% e o da gasolina — 15%.

    Mais:

    Trump: Isenções a sanções contra o Irã ajudam a controlar preço do petróleo
    China e queda de preço do petróleo fazem bolsa de Nova York cair mais uma vez
    Rouhani: EUA são incapazes de reduzir exportações de petróleo iraniano a zero
    Tags:
    preço do diesel, gasolina, manifestações, protestos, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik