01:06 10 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    9241
    Nos siga no

    Hoje, em 17 de novembro, toda a França sai às ruas para protestar contra o aumento brusco dos preços da gasolina. De acordo com o Ministério do Interior, em todo o país decorre cerca de um milhar e meio de ações de protesto.

    Em Paris, a manifestação começou de manhã cedo: primeiro, os participantes se reuniram perto de uma das entradas da cidade, e depois bloquearam uma parte do Boulevard Périphérique de Paris.

    ​Os manifestantes esperam lograr suspender o tráfego nas maiores rodovias da capital e finalizar com um protesto maciço em frente do Palácio do Eliseu, residência oficial do presidente. Há também possibilidade de que as estradas que vão até o aeroporto parisiense Charles de Gaulle fiquem bloqueadas.

    De acordo com os dados mais recentes do ministério, uma pessoa morreu, 47 ficaram feridas, 3 delas gravemente, e 17 foram detidas. A mulher que morreu foi atropelada nas barricadas por uma motorista que ficou em pânico em frente de uma barreira na estrada e não conseguiu controlar seu veículo.

    No total, agora são mais de 124 mil os manifestantes que saíram nas ruas.

    ​O movimento associado ao protesto é chamado de "Gilets Jaunes" ("coletes amarelos"). Ele não tem uma organização formal, nenhum líder e nenhuma afiliação política. Em sua maioria, tem sido coordenado através das redes sociais. O nome alude aos coletes fluorescentes que na França, por lei, cada cidadão é obrigado a portar no seu veículo.

    ​Embora os preços dos combustíveis tenham começado a diminuir pouco a pouco nas últimas semanas, desde o início do ano o aumento já somou 7,5% para gasolina e cerca de 15% para o diesel, segundo a emissora BFM, aumento que afeta milhões de pessoas. No total, a partir do início de 2019, na sequência do aumento dos impostos e preços, as despesas das famílias francesas irão crescer 100-250 euros por mês (430-1000 reais).

    Mais:

    Casa Branca aponta temas que Trump e Putin discutiram em Paris
    Macron sobre relações com EUA: 'Ser aliado não significa ser vassalo'
    Macron quer 'exército europeu' para compartilhar armas nucleares com Merkel, diz Le Pen
    Tags:
    combustível, protestos, manifestação, França, Paris
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar