00:11 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Jens Stoltenberg na cúpula da OTAN em Varsóvia.

    'Não queremos uma nova corrida armamentista', diz secretário da OTAN

    © Sputnik / Aleksei Vitvitsky
    Europa
    URL curta
    315

    O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse nesta terça-feira que a aliança não quer uma nova corrida armamentista em resposta à situação criada pela possível saída dos Estados Unidos do Tratado de Forças Nucleares Tratado de Alcance Intermediário (INF).

    Stoltenberg ficou satisfeito com a convocação do Conselho Rússia-OTAN para esta quarta-feira e salientou que "o diálogo é especialmente importante quando as relações entre as partes são complexas".

    "Não há contradição entre manter o diálogo e ser forte", afirmou Stoltenberg em entrevista coletiva na Noruega, comentando: "Não queremos uma nova Guerra Fria ou uma corrida armamentista".

    Ele também enfatizou a importância do diálogo para prevenir incidentes e aumentar a previsibilidade.

    "Não vamos entrar em detalhes sobre a agenda da reunião do Conselho Rússia-OTAN, iremos informá-lo após a reunião, mas se falamos sobre o Tratado INF, o problema reside no novo míssil russo. Há novos mísseis dos EUA na Europa", respondeu ele à questão de saber se existe a possibilidade de "salvar" o Tratado INF.

    Ele acrescentou que "todos os aliados têm a preocupação expressa, o tratado pode ser eficiente se todas as partes respeitem, e instamos a Federação Russa para confirmar que cumpre integralmente e de forma transparente o Tratado INF, não queremos uma nova corrida armamentista".

    Em 20 de outubro, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, alegando violações do acordo por parte da Rússia.

    Mais tarde, o presidente dos Estados Unidos acrescentou que os EUA aumentarão suas capacidades nucleares até que outros países, como a Rússia e a China, "caiam na real".

    Moscou afirmou que essas alegações causam preocupação, já que a medida tornará o mundo mais perigoso.

    O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de ter mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com um alcance de 500 a 5.500 quilômetros.

    A Rússia e os EUA acusaram-se repetidamente de desenvolver sistemas que violam este pacto.

    Mais:

    Megaexercícios da OTAN podem trazer guerra nuclear para atualidade?
    Ocidente busca pretexto para enviar navios da OTAN ao mar de Azov
    2 fragatas lideram frota britânica nas manobras da OTAN no Ártico
    Tags:
    corrida armamentista, diplomacia, Guerra Fria, Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), Conselho Rússia-OTAN, OTAN, Donald Trump, Jens Stoltenberg, Estados Unidos, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik