07:18 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Agentes de elite da polícia francesa em Marseille (arquivo)

    Escritório de organização humanitária é atacado na França

    © AP Photo / Claude Paris
    Europa
    URL curta
    242

    Um grupo de 'ativistas' atacou nesta sexta-feira, em Marseille, no sul da França, a sede da organização franco-alemã SOS Méditerranée, instituição de caridade que trabalha para ajudar migrantes que deixam a África e atravessam o mar Mediterrâneo em busca de uma vida melhor na Europa.

    De acordo com a organização, parceira da Médicos sem Fronteiras, ninguém ficou ferido em razão do incidente, e a polícia já chegou ao local e prendeu os supostos manifestantes.

    Os responsáveis pelo ataque seriam membros do movimento identitário, corrente nacionalista de extrema direita que se opõe à presença de imigrantes árabes, africanos e muçulmanos na Europa, com base na teoria da conspiração do genocídio branco. Em publicação no Twitter, representantes do movimento alegaram que o que as autoridades chamaram de ataque teria sido na verdade uma ocupação pacífica e acusaram a SOS Méditerranée de ser cúmplice do tráfico de pessoas.

    Com escritórios em França, Alemanha, Itália e Suíça, a SOS Méditerranée atua desde 2015 no resgate de migrantes à deriva no Mediterrâneo, utilizando para isso o navio Aquarius. A organização afirma já ter salvado a vida de quase 30 mil pessoas em mais de 230 operações realizadas.

    Mais:

    Marinha do Marrocos abre fogo contra embarcação de migrantes
    Premiê da Polônia elogia a decisão da UE em abandonar realocação forçada de migrantes
    Chanceler da Hungria: Plano da UE para distribuir migrantes aumentará ameaça de terrorismo
    Premiê tcheco diz que migrantes muçulmanos representam 'ameça' para civilização europeia
    'Itália só em cartões postais': Salvini alerta que Roma não permitirá chegada de migrantes
    Tags:
    migração, extrema direita, islamofobia, ataque, migrantes, SOS Méditerranée, Marseille, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik