20:59 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Um guarda na entrada do Ministério da Defesa alemão

    Parlamento alemão aprova criação de 'super-agência' de cibersegurança

    © AP Photo / Markus Schreiber
    Europa
    URL curta
    110

    O gabinete da chanceler Angela Merkel propôs um novo ramo de segurança cibernética do governo alemão, a ser supervisionado pelos ministérios do Interior e da Defesa, de acordo com o Defense One.

    O orçamento operacional da chamada Agência de Inovação em Segurança Cibernética (AIC) terá orçamento anual de cerca de €200 milhões (R$940 milhões) entre 2019-2022. O órgão abrangerá 100 funcionários e terá mandato indeterminado.

    O Bundestag — nome do Parlamento Alemão — fará um ajuste fino na proposta do gabinete e, depois que fundos forem disponibilizados, a AIC começará a funcionar no início de 2019.

    A criação em potencial da AIC foi um compromisso político do gabinete de Merkel como maneira de se previnir quanto a futuros ataques de guerra cibernética.

    O Ministério da Defesa assumiu uma postura agressiva ao descrever a nova política cibernética, observando que as ferramentas governamentais, de segurança e de negócios estão muito atrás de ataques on-line sofisticados que podem resultar em danos maiores que apenas desligamentos de rede e falsificações.

    "Os processos governamentais existentes relacionados à pesquisa são muito lentos", afirmou a ministra da Defesa, Ursula von der Leyen, citada pelo Defense One. "Temos que ser pelo menos tão rápidos e tão bem equipados quanto os agressores", completou.

    Ao injetar capital de risco em pesquisas de ponta, a AIC espera fomentar novas defesas cibernéticas e apoiar as forças militares e de segurança, uma metodologia que exigirá, nas palavras de Van der Leyen, "coragem" e "paciência".

    Tags:
    Defense One, Ministério da Defesa da Alemanha, Agência de Inovação em Segurança Cibernética (AIC), Bundestag, parlamento alemão, Ursula von der Leyen, Angela Merkel, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik