08:33 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Foto da Ponte da Crimeia tirada a partir da EEI pelo cosmonauta russo Anton Shkaplerov

    Deputado ucraniano apela a 'aliados' a destruir Ponte da Crimeia

    © Foto: Roscosmos/Anton Shkaplerov
    Europa
    URL curta
    19443

    O deputado da Suprema Rada, Igor Mosiychuk, propôs à inteligência ucraniana encontrar aliados para destruir a Ponte da Crimeia.

    O parlamentar exprimiu a certeza de que a ponte foi construída apenas para "fechar, desestabilizar e conquistar" o mar de Azov.

    "A inteligência ucraniana, os ucranianos, devem considerar, provavelmente através de nossos aliados do Cáucaso, a destruição da Ponte da Crimeia", declarou Mosiychuk ao canal 112, não indicando que aliados tinha em vista.

    Além disso, ele expressou a esperança de que as "forças superiores" e os "elementos da natureza" ajudem Kiev a se ver livre da ponte.

    Não é a primeira vez que Mosiychuk faz declarações deste tipo em relação à Ponte da Crimeia. Assim, em maio ele chamou a construção de "infraestrutura inimiga" e sublinhou que pessoalmente participaria em sua destruição se fosse ministro da Defesa.

    A ponte que liga a região de Krasnodar e a Crimeia é a mais longa na Rússia: 19 quilômetros. O início do tráfego automóvel inicialmente estava previsto para dezembro de 2018, mas os trabalhos foram acabados antes.

    Vladimir Putin inaugurou a parte rodoviária da ponte através do estreito de Kerch no dia 15 de maio deste ano, tendo os veículos começado a circular no dia seguinte. O início do tráfego ferroviário através da ponte está planejado para dezembro de 2019.

    Mais:

    'Reincidências de doença': Crimeia comenta legenda ucraniana de ponte no Google Maps
    Que ameaças representa ponte da Crimeia para Ucrânia?
    Ponte da Crimeia é 'cartão de visita' da região, diz chefe da península
    Kiev justifica por que Ponte da Crimeia 'pertence' à Ucrânia
    Tags:
    ponte, aliados, destruição, Suprema Rada, Crimeia, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik