12:30 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Posto de controle criado para prevenir saídas não autorizadas dos ossetos para a Geórgia perto de Tskhinval, 16 de agosto de 2008 (foto de arquivo)

    Geórgia contava com ajuda dos EUA na agressão contra Ossétia do Sul?

    © Sputnik / Maksim Avdeev
    Europa
    URL curta
    13201

    Em entrevista à Sputnik, o ex-ministro das Relações Exteriores da Abkházia, Sergei Shamba, revela detalhes pouco conhecidos dos acontecimentos de agosto de 2008, quando ocorreram ações militares na Ossétia do Sul e seguidamente o reconhecimento da independência da Abkházia e Ossétia do Sul por parte da Rússia.

    Segundo Sergei Shamba, o governo georgiano contava com que os EUA e a OTAN interviessem na sua operação militar contra a Ossétia do Sul lançada há dez anos.

    "Eles [georgianos] esperavam que os americanos ou a OTAN bombardeassem o túnel de Roksky e não deixassem passar a tempo as tropas russas ", ressaltou o ex-ministro.

    Ele adicionou que a Geórgia contava com alguma ajuda externa militar, e não política, caso contrário não se atreveriam a atacar a Ossétia do Sul.

    Shamba também citou uma conversa tida nos anos 90, e descrita nas memórias de uma testemunha, entre o então presidente norte-americano, George H. W. Bush, e o presidente georgiano Zviad Gamsakhurdia. Este pediu uma reunião e disse: "Senhor presidente, a Rússia é um colosso com pés de barro, basta empurrar e ela vai colapsar. Estamos prontos para o fazer, só precisamos que nos prestem ajuda." No entanto, o líder norte-americano lhe respondeu que muitos nos EUA poderão gostar dessas palavras, mas quanto se tratar de ações reais contra a Rússia, ninguém lhes daria apoio.

    Shamba opina que os falcões estadunidenses, como John McCain, apoiavam o então presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, mas quando os confrontos se tornaram reais, ninguém se decidiu a intervir.

    Os norte-americanos, de acordo com o ex-chanceler, pensavam que as tropas georgianas fossem avançar sem sua ajuda e que poderiam intervir depois.

    "Acho que eles [os norte-americanos] contavam com que os georgianos conseguissem fazer algo. […] Depois, talvez, também interviessem, começariam o processo de regulação", explicou.

    Em 8 de agosto de 2008, a Geórgia invadiu a Ossétia do Sul e atacou com artilharia pesada a capital Tskhinval, que na época estava sob proteção das forças de paz russas, e outros povoados.

    A Rússia enviou as suas tropas para proteger a população civil e, passados cinco dias de hostilidades, expulsou os militares georgianos, e nos finais de agosto reconheceu a independência das autonomias da Ossétia do Sul e da Abkházia.

    Ambas as repúblicas também foram reconhecidas como Estados soberanos pela Nicarágua, Venezuela, Nauru e Síria.

    Conforme ressaltou Shamba, é mérito de diplomatas nacionais que o país foi reconhecido por estes países, pois se focaram em regiões nas relações com as quais não há divergências. Por isso, as missões diplomáticas foram enviadas não à Europa e América do Norte, mas à América Latina, Ásia e Oceania.

    Mais:

    EUA solicitam que Rússia 'retire forças' da Abkházia e Ossétia do Sul
    Rússia aponta principais metas de suas bases na Abkházia e na Ossétia do Sul
    'Sangue que Geórgia derramou em Ossétia foi o ponto sem retorno'
    Tags:
    agressão, militares, independência, conflito, OTAN, George H.W. Bush, Mikhail Saakashvili, John McCain, Abkházia, Ossétia do Sul, Geórgia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik