10:26 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Península da Crimeia

    Deputado ucraniano declara que sanções contra a Crimeia são 'insignificantes'

    © Sputnik / Aleksei Malgavko
    Europa
    URL curta
    203

    As sanções ocidentais contra a Crimeia são "absolutamente insignificantes", segundo declarou o deputado da Suprema Rada (Parlamento da Ucrânia) Yevgeny Muraev ao canal de TV 112 Ukraina.

    Segundo o deputado, as restrições econômicas impostas à Crimeia, "causam muito pouco dano" à economia russa.

    "As sanções contra a Crimeia, sobre as quais nosso governo está gritando, se analisarem, elas são absolutamente insignificantes. As principais sanções foram introduzidas depois do MH17 e dos eventos no leste do nosso país. Se o Protocolo de Minsk for bem sucedido, a Crimeia ficará com sanções que não causam nenhum dano", disse Muraev.

    O deputado também lamentou que os EUA não considerem a Ucrânia como país parceiro, mas a usem para "pressionar" a Rússia.

    "Eles [os EUA] nos usam para resolver seus problemas geopolíticos. Somos um ponto que está sendo usado para pressionar a ferida da Federação da Rússia, mas, em primeiro lugar, isso não resolverá nossos problemas, mas resolverá seus interesses", concluiu Muraev.

    As relações entre a Rússia e os países ocidentais se deterioraram devido à situação na Ucrânia e Crimeia. O Ocidente acusa a Rússia de interferência e impôs sanções contra o país. Em retaliação, Moscou decidiu impedir as importações alimentares de determinados países. A Rússia tem afirmado repetidamente que não faz parte do conflito interno ucraniano e tem interesse que a Ucrânia supere a crise política e econômica.

    Mais:

    'Preocupações falsas com país': por que Kiev compra armamentos soviéticos obsoletos?
    Kiev está pronta para trocar Kirill Vyshinsky e outros 12 por ucranianos presos na Rússia
    Ordem de Putin de dar nomes 'ucranianos' a unidades militares russas gera confusão em Kiev
    Tags:
    pressão política, danos, sanções, Moscou, EUA, Rússia, Crimeia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik