14:59 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Boeing 777 da Air France. Foto de Arquivo

    Air France muda rotas de voo devido aos possíveis ataques dos EUA na Síria

    © AFP 2018 / ERIC PIERMONT
    Europa
    URL curta
    503

    A companhia aérea francesa Air France está mudando rotas para alguns de seus vôos devido aos temores de possíveis ataques com mísseis norte-americanos na Síria, disse o porta-voz da companhia aérea à Sputnik nesta quarta-feira (11).

    Na terça-feira (10), a agência de controle de tráfego aéreo da Europa emitiu uma notificação para a área de controle do Mediterrâneo Oriental/Nicosia FIR que ataques aéreos à Síria podem ocorrer nas próximas 72 horas.

    A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, na ingla em inglês) afirmou as companhias aéreas devem levar em essa questão em consideração quando planejarem operações na área.

    "A Air France levou em consideração as recomendações da EASA e ajustou os planos de voo para as rotas que poderiam ser afetadas. Isso diz respeito principalmente a Beirute e Tel Aviv", disse o porta-voz.

    A companhia aérea francesa geralmente segue as recomendações dos reguladores nacionais e internacionais, observou o porta-voz.

    Mais cedo nesta quarta-feira (11), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou, via Twitter, que a Rússia deveria se preparar para um ataque com mísseis dos EUA contra a Síria. Trump fez sua ameaça após relatos sobre um suposto ataque químico na cidade síria de Douma, no sábado (8).

    Os Estados Unidos e a União Europeia disseram acreditar que o ataque foi perpetrado pelas forças do presidente sírio Bashar Assad. Damasco, por sua vez, negou firmemente essas alegações.

    Além disso, o ministro das Relações Exteriores da Síria teria convidado a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ, na sigla em inglês) a visitar a área do suposto ataque.

    A Rússia também refutou os relatórios sobre o uso de produtos químicos na área de Ghouta Oriental, onde Douma está localizada, dizendo que seu Centro de Reconciliação Síria não encontrou vestígios de substâncias perigosas na área.

    Além disso, Moscou disse que já tinha conhecimento da possibilidade de provocações com o uso de produtos químicos, visando culpar o governo de Assad. 

    Mais:

    'É assim que se fala com a Rússia': chanceler da Ucrânia apoia ameaças de Trump a Moscou
    Trump prediz novo ataque contra Síria: 'Rússia, prepare-se'
    Gorbachev critica Putin e Trump e pede negociações antes que seja 'tarde demais'
    Recado para Trump: Irã promete produzir armas se EUA deixarem acordo nuclear
    Tags:
    aviação civil, Guerra da Síria, Uniao Europeia, Bashar Assad, Donald Trump, Rússia, Estados Unidos, EUA, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik