14:20 26 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Exercício militar do exército da Lituânia

    Países bálticos querem maior proteção dos EUA contra a 'ameaça russa'

    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Europa
    URL curta
    428

    Líderes dos Estados bálticos vão pedir aos Estados Unidos que enviem mais tropas e reforcem as defesas aéreas no flanco leste da OTAN para deter a Rússia quando se encontrarem com o presidente Donald Trump nesta terça-feira, disseram autoridades.

    A presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite, a presidente da Estônia, Kersti Kaljulaid, e o presidente da Letônia, Raimonds Vejonis, estão visitando a Casa Branca em um momento em que Washington está adotando uma postura mais dura em relação a Moscou.

    A retórica de confrontação mais avançada de Trump aliviou as preocupações iniciais na região sobre o que parecia ser uma abordagem mais conciliatória do Kremlin quando o líder dos EUA chegou ao poder.

    Uma alta autoridade lituana que desejava permanecer anônima disse à Agência AFP que os três líderes bálticos pediram aos EUA que enviassem mísseis antiaéreos de longo alcance da Patriot com mais frequência para os exercícios militares. Eles também querem se tornar parte do maior escudo antimíssil europeu da OTAN.

    "Espero que os Estados Unidos e outros aliados entendam que o espaço aéreo dos países bálticos deve ser mais bem protegido e defendido", disse Grybauskaite, da Lituânia, à emissora pública do país, LRT, antes da visita. "É importante que [as tropas dos EUA] estejam em permanente base rotativa em todos os Estados bálticos".

    No ano passado, a OTAN enviou quatro batalhões multinacionais para a Polônia e para os Estados bálticos como armadilhas contra possíveis aventureirismos russos, enquanto os militares dos EUA enviaram uma bateria Patriot à Lituânia para exercícios.

    Em julho, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, levantou a possibilidade de instalar Patriots na vizinha Estônia.

    Os Estados bálticos, com uma população combinada de apenas seis milhões de pessoas, foram ocupados e anexados por Moscou durante a Segunda Guerra Mundial. O trio libertou-se da União Soviética em ruínas em 1991 e juntou-se à União Europeia (UE) e à OTAN em 2004.

    Mais:

    Antes tarde do que nunca: países bálticos resolvem participar da luta contra Daesh
    Militar aposentado: EUA querem deslocar centro de gravidade para Polônia e países bálticos
    Leste Europeu e países Bálticos podem dormir em paz durante exercícios russo-bielorrussos
    Tags:
    guerra, russofobia, segurança, defesa, diplomacia, países bálticos, União Europeia, OTAN, Donald Trump, Raimonds Vejonis, Kersti Kaljulaid, Dalia Grybauskaite, Letônia, Estônia, Lituânia, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik