23:26 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Boris Johnson, novo Ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha

    Johnson compara adesão da Crimeia à Rússia com ocupação da Tchecoslováquia pelos nazistas

    © REUTERS / Toby Melville
    Europa
    URL curta
    Envenenamento de ex-espião russo (100)
    36523

    O ministro de Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, parece ter ficado obcecado em comparar a Rússia com a Alemanha nazista. Mais recentemente, ele comparou a reunificação da Crimeia com a Rússia à anexação de Adolf Hitler da região dos Sudetos.

    O problema de levantar o espectro de um inimigo é que é muito fácil levá-lo longe demais. Aparentemente, Johnson foi tão dominado pela 'russofobia' histérica que começou a ver paralelos entre a Rússia e seu inimigo jurado, o Terceiro Reich Alemão.

    Em sua última manifestação ao Comitê de Relações Exteriores, ele chegou a afirmar que a adesão da Crimeia à Rússia, após um referendo esmagador de apoio em março de 2014, era semelhante à ocupação parcial do que era então a Tchecoslováquia (hoje República Tcheca e Eslováquia) pelas forças de Hitler, em 1938.

    Johnson então alegou que era "totalmente apropriado" fazer comparações entre os nazistas na época e a Rússia agora.

    "A Rússia anexou um território soberano europeu", disse o ministro britânico sobre a Crimeia. Ele então enfatizou enfaticamente que "nós não fizemos nada sobre os Sudetos, você sabe", referindo-se à decisão dos líderes europeus de permitir que os territórios tchecoslovacos periféricos fossem anexados pelos nazistas. Mais tarde, usando sua posição por trás das defesas da Tchecoslováquia, a Wehrmacht pôde entrar em Praga sem oposição.

    Johnson advertiu que o fracasso da Europa em enfrentar o que ele chamou de "padrão de comportamento provocativo" da Rússia encorajaria o Kremlin em seu "sentimento revanchista". Ele tentou assustar ainda mais a Europa alegando que a falta de ação na política "assertiva" de Moscou ser semelhante ao apaziguamento de Hitler.

    Johnson e o seu 'esquecimento' da história

    Como ele fez suas conclusões de longo alcance, Johnson negligenciou completamente um fato: foi o Ocidente, ou seja, a França e o próprio Reino Unido, que "venderam" a Tchecoslováquia a Hitler, assinando o Acordo de Munique de 1938. Mais conhecido como "a traição de Munique", o tratado permitiu que a Alemanha nazista anexasse partes da Tchecoslováquia.

    O pacto foi assinado por Hitler e pelo ditador fascista italiano Benito Mussolini — assim como pelo então primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain e seu colega francês Edouard Daladier. Notável pela sua ausência foi a União Soviética, e até mesmo a liderança da Tchecoslováquia não participou nas negociações do acordo.

    A mídia britânica aparentemente foi vítima dessa amnésia histórica seletiva. O jornal Daily Express, por exemplo, mencionou brevemente em seu artigo que Chamberlain simplesmente “se recusou a intervir” quando as forças de Hitler ocuparam o território.

    Não é a primeira vez que Johnson se permite fazer comparações tão absurdas. Em 21 de março, ele comparou a recepção da Rússia da Copa do Mundo deste ano às Olimpíadas de 1936 na Alemanha nazista, acrescentando que tal "comparação com 1936 é certamente correta".

    Isso provocou uma reação irada de Moscou. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, denunciou as palavras de Johnson como "totalmente nojentas" e "impróprias para qualquer ministro de Relações Exteriores".

    Johnson não é avesso a declarações que encorajam uma visão distorcida da Rússia. Por exemplo, ele afirmou publicamente que se livrar de ex-espiões é apenas uma parte da natureza russa. Em seu artigo de opinião para o jornal The Washington Post, ele chamou o envenenamento do agente duplo Sergei Skripal de nada mais do que a manifestação de "descarada personalidade russa".

    Quase não é preciso dizer que Johnson nunca se deu ao trabalho de fornecer sequer a menor prova para substanciar suas afirmações. Em vez disso, ele trombeteava o "apoio esmagador" que o Reino Unido recebia de outros países ocidentais após o envenenamento de Skripal. Johnson interpretou isso como um sinal claro de que todo o "mundo ocidental" compartilha sua visão do "comportamento provocativo" da Rússia.

    Em 4 de março, Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, de 33, foram encontrados inconscientes em um banco do lado de fora de um shopping center na cidade britânica de Salisbury. A polícia disse depois que eles foram envenenados com algum tipo de agente nervoso da era soviética. Londres foi rápida em culpar Moscou pelo incidente e seus aliados ocidentais foram rápidos em participar, apesar de nenhuma evidência sólida do envolvimento russo no incidente ter sido apresentada até agora.

    A Rússia negou repetidamente ter alguma coisa a ver com o envenenamento de Skripal. Moscou ofereceu cooperação na investigação e exigiu que os detalhes fossem compartilhados, já que envolve cidadãos russos.

    Tema:
    Envenenamento de ex-espião russo (100)

    Mais:

    EUA ameaçam 'tomar providências' sobre caso de envenenamento de ex-espião russo
    Revelado possível método de envenenamento do ex-espião russo Skripal
    Ativista exige que May apresente prova clara para envolvimento da Rússia em envenenamento
    Tags:
    envenenamento, Segunda Guerra Mundial, referendo, nazistas, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Boris Johnson, Sudetos, Crimeia, Tchecoslováquia, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik