12:08 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    O negociador-chefe da União Europeia para o Brexit, Michel Barnier

    Negociador europeu: 'Demandas do Reino Unido pós-Brexit são puramente ilusórias'

    © REUTERS / Eric Vidal
    Europa
    URL curta
    181

    O negociador principal da Brexit da UE, Michel Barnier, advertiu que as demandas da Grã-Bretanha para o seu relacionamento futuro com o bloco são "ilusórias".

    Muitos pontos de desacordo permanecem entre o Reino Unido e a União Europeia sobre a questão de um período de transição após Brexit, disse o negociador da UE, Michel Barnier, nesta terça-feira.

    "Há pontos significativos de desacordo com o Reino Unido quanto ao que entendemos como uma transição, as condições para tal e suas dimensões", disse Barnier em entrevista coletiva. "Estou feliz que o governo do Reino Unido parece estar se movendo em direção a uma posição mais detalhada. No entanto, se as reportagens da mídia estiverem corretas, tenho medo de que a posição do Reino Unido se baseie hoje em pura ilusão".

    De acordo com o funcionário da UE, as disputas incluem a duração desse período. A União Europeia pretende encerrar o processo em dezembro de 2020, enquanto o Reino Unido "parece que gostaria de manter essa duração de forma aberta".

    Outros pontos de desacordo incluem os direitos dos cidadãos, a aplicação do acervo da UE, a união aduaneira, o mercado único e outros.

    "Há muitos pontos de desacordo, atualmente. Com esses desentendimentos, ainda não conseguimos a transição", afirmou Barnier.

    O projeto de lei que especifica a retirada do Reino Unido da União Europeia é 23:00 GMT 29 de março de 2019, como a hora exata para a saída do país do bloco. O documento encerrará a prioridade das leis da UE em relação à legislação do Reino Unido, cancelando o Ato das Comunidades Europeias de 1972, que formaliza a adesão de Londres à União Europeia.

    Tags:
    Ato das Comunidades Europeias de 1972, Brexit, União Europeia, Michel Barnier, Londres, Europa, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik