06:00 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira do Reino Unido perto do parlamento britânico, em Londres, em abril de 2017

    França: Reino Unido não deve ser 'humilhado' por deixar a União Europeia

    © REUTERS / Stefan Wermuth
    Europa
    URL curta
    544

    A União Europeia não deve "humilhar" o Reino Unido nas negociações do Brexit já que este sentimento irá inflar o ressentimento contra o bloco europeu nas próximas eleições, afirmou o porta-voz do governo francês, Benjamin Griveaux.

    "Nossa posição é bastante simples. Não devemos punir qualquer pessoa pelo Brexit", contou Griveaux em entrevista à agência AFP. 

    Perder um membro da UE "nunca é uma boa notícia e nunca devemos humilhá-los ou puni-los", disse o o porta-voz francês.

    "Isso seria o pior que poderia acontecer e acho que isso reforçaria o sentimento anti-europeu em muitos países onde as eleições chegam em um ano". Griveaux tabém advertiu que os eurocéticos podem formar maioria no Parlamento Europeu pela primeira vez em 2019.

    Na semana passada, foi divulgado um tratado da União Europeia que irritou setores em Londres. Ele prevê que Bruxelas poderá punir o Reino Unido durante o período de transição, que terá início em 29 de março de 2019 — quando começa oficialmente o Brexit.

    Pelas regras previstas, Londres poderá ter seu acesso ao mercado único europeu restrito. O mecanismo permite que as relações comerciais dentro do bloco europeu aconteçam sem controle alfandegário. 

    Defensores do Brexit do Partido Conservador, da primeira-ministra Theresa May, dizem que a medida é uma punição. Já Bruxelas nega as acusações.

    Griveaux disse que uma abordagem punitiva era "não a estratégia certa a médio ou longo prazo", mas, ecoando May, insistiu que "Brexit significa Brexit".

    Mais:

    Bilionário Soros promete pagar ainda mais para acabar com Brexit
    Conselho da UE define como serão as negociações com o Reino Unido após o Brexit
    Trump promete transformar os EUA no maior parceiro comercial do Reino Unido pós-Brexit
    Twitter não encontra provas que comprovem interferência russa no Brexit
    Jeremy Corbin comenta possibilidade de 2º referendo do Brexit
    Brexit: para acabar com 'chororô', líder britânico apoia segundo referendo
    Tags:
    Reino Unido, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik