06:11 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    French President Emmanuel Macron (3rdR) chairs his first cabinet meeting as President with his newly named ministers, from the left, Budget Minister Gerald Darmanin, Economy Minister Bruno Le Maire, Foreign and European Minister Jean-Yves Le Drian, Interior Minister Gerard Collomb, Justice Minister Francois Bayrou, and Health and Solidarity Minister Agnes Buzyn, at the Elysee Palace in Paris, France, May 18, 2017

    Europa precisa se fortalecer e defender seus interesses, diz ministro francês

    © REUTERS / Francois Mori/Pool
    Europa
    URL curta
    1052

    A Europa precisa se tornar mais forte para defender seus próprios interesses em meio à força crescente da China e dos Estados Unidos, focando seus esforços exclusivamente em assuntos de sua preocupação, disse o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, nesta quinta-feira (25).

    "Muitas nações estão esperando que a Europa seja mais forte. E esse é exatamente o desafio que temos que enfrentar. Nós temos a China, que está crescendo. Nós temos os Estados Unidos, que está defendendo seus próprios interesses de uma maneira muito forte. Nós Preciso de uma Europa forte. Precisamos da Europa… com regras próprias, com a capacidade de defender interesses próprios […] interesses de defesa ", disse Le Maire durante o Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) em Davos.

    De acordo com Le Maire, as nações europeias precisam que a zona do Euro "se torne um verdadeiro continente econômico" com uma união bancária e de mercado de capitais.

    O encontro anual do WEF começou na terça-feira (23) e está previsto para terminar na sexta-feira (26), com mais de 340 líderes políticos, incluindo cerca de 70 chefes de Estado e governo, que deverão participar do evento. O fórum acontece anualmente e tem como objetivo formar a agenda global e industrial de acordo com líderes políticos, empresariais e acadêmicos.

    Tags:
    defesa, protecionismo, Fórum Econômico Mundial (WEF), Bruno Le Maire, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar