05:56 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Chefe do governo da Catalunha, Carles Puigdemont

    'Estado espanhol derrotado':Puigdemont pede restituição do 'governo legítimo' na Catalunha

    © REUTERS / Albert Gea
    Europa
    URL curta
    254

    Afastado por Madri, o presidente do governo da Catalunha, Carles Puigdemont, pediu sua restituição depois que sua candidatura foi a mais votada entre as forças de independência que terão maioria absoluta no Parlamento da Catalunha, após as eleições desta quinta-feira.

    "O governo legítimo tem de voltar para o Palácio da Generalitat, onde é que pertencemos", afirmou o líder da independência em Bruxelas, durante a avaliação dos resultados eleitorais.

    Além disso, Puigdemont solicitou que, de acordo com os resultados, a Espanha tem uma dívida de "retificação, reparação e restituição" para com a região. "Restituição da democracia alterada, do governo legítimo e da liberdade das pessoas encarceradas", exigiu.

    Puigdemont não perdeu a oportunidade de provocar Madri, com quem trocou farpas ao longo de todo o processo independentista, afirmando que a "República da Catalunha ganhou o Estado espanhol".

    "Os catalães deram uma mensagem ao mundo: a República da Catalunha ganhou a monarquia de 155. O Estado espanhol foi derrotado", disse o líder da independência.

    Seguir de onde paramos

    Puigdemont prometeu aos catalães continuar o roteiro soberano depois que as forças da independência tiveram apoio suficiente para formar uma maioria absoluta após as eleições de quinta-feira.

    "Continuaremos de onde paramos antes de aplicar o 155", disse.

    Em seu discurso, Puigdemont afirmou que o presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, era o perdedor do "plebiscito" que convocou "legalizar o golpe de Estado na Catalunha".

    Dado o novo cenário, Puigdemont reiterou que a Catalunha "ganhou o direito de ser ouvida" e instou Rajoy a mudar sua maneira de se aproximar do conflito.

    "O Rajoy muda a receita ou mudaremos o país antes do que propusemos", afirmou.

    Além disso, o líder da independência novamente apelou para a União Europeia, que pediu "tomar nota" dos resultados.

    Mais:

    Tribunal Constitucional espanhol declara ilegalidade da independência da Catalunha
    Presidente deposto da Catalunha chama prisão de ex-ministros de 'grave erro'
    Quase 2 mil empresas abandonam a Catalunha em meio a crise
    Tags:
    soberania, independência, política, Generalitat, Mariano Rajoy, Carles Puigdemont, Barcelona, Madri, Bruxelas, Espanha, Catalunha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik