21:52 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    002
    Nos siga no

    Existe uma "base razoável" para acreditar que soldados britânicos cometeram crimes de guerra contra presos durante a guerra no Iraque entre 2004 e 2008, revelou a promotora-chefe do Tribunal Penal Internacional (ICC), Fatou Bensouda.

    O ICC sediado em Haia apresentou um relatório de 74 páginas sobre inquéritos preliminares à assembleia anual dos Estados Partes, que participam da jurisdição do tribunal, na última segunda-feira, em Nova York.

    Bensouda disse que, na sequência de uma avaliação factual e jurídica completa da informação disponível, o Ministério Público acredita "que existe uma base razoável para acreditar" que membros das Forças Armadas do Reino Unido "cometeram crimes de guerra" contra pessoas sob sua custódia e, portanto, "o contexto de prisões e detenções". As tropas britânicas não estiveram envolvidas em crimes de guerra no campo de batalha, observou o relatório.

    Durante o anterior inquérito preliminar do ICC sobre alegações semelhantes em 2006, o tribunal disse que havia "uma base razoável para acreditar que os crimes da jurisdição do tribunal haviam sido cometidos, nomeadamente homicídios intencionais e tratamentos desumanos". O tribunal decidiu não tomar ação por causa do "número limitado" de alegações de crimes graves.

    Em 2014, a promotora do ICC reabriu uma investigação sobre alegações de crimes de guerra depois que os Policiais de Interesse Público (PIL) e o Centro Europeu de Direitos Constitucionais e Humanos (ECCHR) alegaram que o "pessoal do Reino Unido cometeu de forma sistemática e em grande escala crimes de guerra de tortura e maus tratos relacionados" contra pelo menos 1.071 detidos iraquianos, de acordo com a "política deliberada de abuso" do governo britânico de detidos iraquianos no período de março de 2003 a dezembro de 2008 no território do Iraque.

    Os grupos de direitos humanos também alegaram que o pessoal britânico cometeu pelo menos 52 casos de homicídios ilegais contra pessoas sob sua custódia no Iraque durante o mesmo período.

    Embora um dos grupos tenha sido considerado culpado de acusações por falta de conduta no início deste ano, Bensouda disse que algumas declarações recebidas da PIL podem ser consideradas "credíveis o suficiente se fundamentadas com material de apoio".

    Seu escritório agora está considerando a "complementaridade e gravidade" antes de avaliar as etapas adicionais em relação à investigação. Em 2014, respondendo ao anúncio de que a promotora do ICC reabriria o exame preliminar da situação no Iraque, o procurador-geral Dominic Grieve disse que o governo britânico "rejeita completamente" as alegações de abuso sistemático.

    Investigações prévias

    O ICC não é o único órgão que investiga os maus tratos das tropas britânicas contra os detidos no Iraque e um porta-voz do governo britânico disse ao jornal britânico The Guardian na segunda-feira que "os esforços existentes para investigar alegações impedem a investigação por parte do TPI".

    A equipe de alegações históricas do Iraque (IHAT), criada pelo Ministério da Defesa do Reino Unido em 2010, disse em janeiro do ano passado que alegações de assassinatos ilegais e tortura cometidos por tropas britânicas no Iraque multiplicaram-se dez vezes nos últimos cinco anos.

    No entanto, quase 60 casos de supostos atropelos ilegais por soldados do Reino Unido que servem no Iraque foram abandonados, de acordo com o Ministério da Defesa.

    As alegações chegam em meio a amplos pedidos para que o ex-primeiro-ministro Tony Blair enfrente a acusação por seu papel na intervenção do Reino Unido na invasão do Iraque de 2003 (que, de acordo com as descobertas do famoso inquérito Chilcot, era desnecessário e ilegal em primeiro lugar).

    O relatório Chilcot concluiu anteriormente que o envolvimento do Reino Unido no Iraque baseava-se no pretexto falso de que o ex-presidente iraquiano Saddam Hussein possuía armas de destruição em massa (WMD). O pedido que declara a imunidade de Blair contra qualquer acusação deve, portanto, ser revogado, disse o juiz mais antigo da Inglaterra e do País de Gales, Lorde Thomas de Cwmgiedd.

    Mais:

    Reino Unido prende suspeitos que planejavam assassinar a premiê Theresa May
    Efeito do Brexit: Reino Unido perde posição no ranking de maiores economias mundiais
    Incomparável submarino soviético da época da Guerra Fria surge no Reino Unido (VÍDEO)
    Tags:
    Reino Unido, Grã-Bretanha, Iraque, Haia, Fatou Bensouda, Tony Blair, Tribunal Penal Internacional, direitos humanos, abuso, violência, tortura
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar