18:58 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados lançam míssil Javelin

    Governo estadunidense planeja entregar US$ 47 milhões à Ucrânia para comprar armas

    United States Army/Domínio público
    Europa
    URL curta
    566

    O Conselho de Segurança Nacional dos EUA decidiu recomendar ao presidente do país, Donald Trump, que aloque à Ucrânia uma doação no valor de US$ 47 milhões (mais de R$ 150 milhões) para a futura compra de armamentos estadunidenses, inclusive sistemas antitanque Javelin.

    O respectivo relato foi efetuado pela emissora ABC citando fontes anônimas no Departamento de Estado dos EUA.

    A Casa Branca argumenta este passo com a necessidade de "conter a agressão por parte dos separatistas pró-russos", afirma o canal.

    Entretanto, não foi especificado quando o líder norte-americano vai receber essas recomendações financeiras em relação à Ucrânia. Para que a proposta entre em vigor, ela deve ser aprovada pelo Congresso.

    Formalmente, o Conselho de Segurança Nacional dos EUA se absteve de fazer comentários.

    Na quinta-feira (16) passada, o Senado dos EUA, depois da Câmara dos Representantes, enviou o orçamento de defesa para 2018 ao presidente por via de procedimento simplificado, dado que o documento inclui, particularmente, a alocação de US$ 4,6 bilhões (quase R$ 15 bilhões) para "conter a Rússia na Europa".

    O valor total do orçamento, por sua vez, somou US$ 692 bilhões (mais de R$ 2.200 bilhões) e pressupõe, inclusive, a ajuda militar à Ucrânia no valor de US$ 350 milhões (mais de R$ 1.100 milhões), sendo que metade desta soma pode ser entregue só na sequência das reformas ucranianas na esfera militar.

    Mais:

    Ucrânia, EUA, Alemanha e França fazem resolução sobre missão de paz da ONU em Donbass
    Ucrânia vai receber US$ 350 milhões dos EUA para armas e apoio contra 'ameaça russa'
    Ucrânia lança mísseis antiaéreos perto da Crimeia
    Tags:
    armamentos, orçamento militar, Javelin, Departamento de Defesa dos EUA, Casa Branca, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik