10:50 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Donetsk atingida por bombardeamentos

    Ucranianos disparam fogo de 25 morteiros contra oficiais russos em Donbass

    © Sputnik / Irina Geraschenko
    Europa
    URL curta
    8313

    Soldados ucranianos lançaram fogo de morteiro contra um posto de observação do Centro Conjunto de Controle e Coordenação no sul de Donbass. Oficiais russos, ucranianos e os da República Popular de Donetsk (RPD) estão escondidos no posto, de acordo com a missão da RPD no centro.

    A missão comunicou que "os bombardeamentos do posto de observação Bezymennoye começaram às 15h25 de 27 de outubro [10h25 do mesmo dia em Brasília], 25 morteiros de 82 mm dispararam fogo de Shirokino [aldeia controlada por Kiev]".

    De acordo com informações, os bombardeamentos continuam e a existência de danos está sendo verificada.

    Em 2014, as autoridades ucranianas começaram a operação militar contra as duas repúblicas autoproclamadas de Donbass, que se recusaram a reconhecer o novo governo de Kiev depois de o ex-presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, deixar a capital em meio a protestos incessantes. Apesar do cessar-fogo, os confrontos entre as partes beligerantes continuam.

    Em fevereiro de 2015, os Acordos de Minsk foram assinados pelas partes do conflito ucraniano e mediados pelos líderes do grupo do Quarteto da Normandia (França, Rússia, Alemanha e Ucrânia), sendo esse o maior passo na direção da resolução pacífica do conflito no leste da Ucrânia. Os Acordos de Minsk contêm um plano de 13 pontos para resolver a crise e estipulam o cessar-fogo e retirada das armas pesadas para criação de uma zona segura.

    Mais:

    Ex-líder do Setor de Direita diz que Kiev reestabelecerá controle sobre Donbass em breve
    Donetsk informa sobre instrutores militares da OTAN na linha de contato em Donbass
    Guerra de grande escala em Donbass se torna inevitável?
    Tags:
    Acordos de Minsk, cessar-fogo, conflito, Viktor Yanukovich, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik