10:14 23 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Brittany Pettibone (à esq.) e Lauren Southern (à dir.), integrantes do movimento de jovens nacionalistas Geração Identitária

    Geração Identitária: quem é o grupo de jovens nacionalistas que quer entrar no Reino Unido

    © Foto: brittpettibone / Instagram
    Europa
    URL curta
    646

    Um movimento da direita conservadora que uniu jovens nacionalistas do Canadá, dos EUA e de toda a União Europeia, resultando em campanhas contra a imigração chocantes e muitas vezes hostis, está planejando iniciar as suas atividades também no Reino Unido.

    Intitulado Génération Identitaire (Geração Identitária, em tradução livre), o grupo ganhou notoriedade quando bloqueou as estradas para o campo de migrantes de Calais e tentou bloquear um navio de caridade que trazia imigrantes da Líbia para um porto italiano, como parte de sua campanha para acabar com a imigração em massa para a Europa.

    As ações refletiram o foco do grupo, que afirma querer "preservar" o modo de vida europeu.

    Agora, no seu quinto ano, o movimento fundado em França, que quer acabar com a "islamização da Europa", rejeita acusações de antissemitismo e racismo, colocou a mira no Reino Unido. E lá quer iniciar as suas atividades em breve.

    Em sua ação mais ousada, o grupo levou um barco para a Zona de Busca e Resgate da Líbia para "reunir provas" contra as ONGs que salvam os migrantes de se afogar e trazê-los para a Europa.

    O seu navio, o C-star, enfrentou uma série de problemas, incluindo membros da tripulação sendo presos, o barco sendo detido e ocorrendo uma quebra embaraçosa que levou à necessidade de um resgat, justamente por parte de uma das ONGs perseguidas pelo grupo.

    Apesar de tais constrangimentos, o apoio aos nacionalistas continuou a crescer e as doações inundaram o grupo, formado por jovens ativistas familiarizados com meios de comunicação.

    Usando vídeos eficientes e outros recursos, o grupo capitalizou as preocupações públicas quando centenas de milhares de imigrantes chegaram à Europa. E milhares de libras esterlinas para o financiamento para a campanha Defend Europe (Defensa a Europa) vieram do Reino Unido, de acordo com a RT UK.

    Segundo fontes ligadas ao movimento, não foi possível confirmar exatamente o quanto os esforços de angariação de fundos foram encerrados várias vezes, após a pressão sobre as plataformas de crowdfunding para bloqueá-las, mas a campanha mostrou interesse no grupo no Reino Unido. Agora, os identitários esperam abrir uma filial britânica

    Julia Ebner, pesquisadora do Instituto de Diálogo Estratégico (ISD), revelou os detalhes de uma reunião realizada na Grã-Bretanha durante o fim de semana. Ebner disse ao jornal The Independent que o grupo está "armando a cultura da internet" e divulgando sua mensagem, mas acredita que o Reino Unido é "chave" para o novo suporte.

    "Eles viram que há uma vaga lá porque o Reino Unido tem movimentos de rua muito tradicionalistas como a Liga da Defesa Inglesa (EDL) e o Partido Nacional Britânico (BNP), ou os que são muito difíceis e violentos como a Ação Nacional que são agora organizações terroristas", disse Ebner. "Não havia realmente nada no meio e esse é o nicho que eles estão tentando preencher".

    Expansão britânica

    O co-líder austríaco do grupo, Martin Sellner, foi uma das pessoas que visitaram Londres, juntamente com a ativista americana da direita conservadora, Brittany Pettibone.

    Pesquisadores secretos descobriram que o grupo está preparando a sua máquina de relações públicas e expulsando aqueles que parecem ser muito extremos, além de proibir oficialmente os símbolos nazistas.

    "Eles aprenderam a ter muito cuidado com a representação pública do movimento, mas dentro de seus canais você vê uma retórica muito diferente", disse Ebner ao Independent. "É realmente interessante ouvi-los tentar incorporar seus pontos de vista como publicamente aceitáveis".

    No entanto, entre as suas fileiras estão os negadores do Holocausto e os neonazistas anteriores, e os apoiantes incluem o ex-líder da Ku Klux Klan, David Duke. Outros incluem o popular comentarista em linha canadense em linha Lauren Southern, que tem uma grande base de seguidores na internet.

    No mês passado, o governo britânico proibiu dois grupos neonazistas - Scottish Dawn (Alvorecer Escocês) e 'NS131' (National Socialist Anti-Capitalist Action) - ambos aliados da organização terrorista proscrita, a Ação Nacional.

    O coordenador de pesquisa da ISD, Jacob Davey, disse que os identitários estão ligados ao Alvorecer Escocês.

    A crescente popularidade do movimento diz respeito à ISD, com os pesquisadores afirmando que o grupo dominou a arte de fazer retórica racista parecer uma mensagem política. "Eles falam sobre o genocídio branco, [mas] eles têm o cuidado de se representar de maneira pacífica e evitar qualquer sugestão de violência", disse Davey.

    "Eles estão usando memes e a linguagem dos jovens para compartimentar e transmitir ideais muito extremos", continuou.

    A ISD encontrou evidências de "exércitos de trolls" que reforçam a agenda da direita conservadora online, promovendo campanhas e iniciando as hashtags bem-sucedidas.

    Durante a campanha Defenda a Europa, o grupo espalhou informações erradas sobre as embarcações de resgate e seu paradeiro, acusando-as de quebrar a lei e ajudar os traficantes de pessoas.

    Mais:

    Refugiados sírios são obrigados por turcos a usarem lingerie para cruzar fronteira (FOTOS)
    ACNUR: Brasil tem que aproveitar bagagem cultural e profissional dos refugiados
    Tensão na UE: Itália sobe o tom contra 'ameaças' de vizinhos sobre refugiados
    Tags:
    nacionalismo, racismo, antissemitismo, neonazismo, nazismo, direita conservadora, política, imigração, política de imigração, crise de imigrantes, xenofobia, islamofobia, Geração Identitária, Génération Identitaire, Jacob Davey, Lauren Southern, Brittany Pettibone, Martin Sellner, Julia Ebner, Calais, Reino Unido, Europa, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik