10:05 04 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    442
    Nos siga no

    O governo espanhol assumirá o controle da Catalunha se o líder regional Carles Puigdemont responder de maneira ambígua à pergunta de Madri sobre se ele declarou independência da Espanha, disse o ministro do Interior neste sábado.

    Puigdemont fez uma declaração simbólica de independência na terça-feira, apenas para suspendê-lo segundos depois e pedir negociações com Madri sobre o futuro da região.

    O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, deu-lhe até a próxima segunda-feira para esclarecer sua posição — e até quinta-feira para mudar de opinião se ele insiste em uma divisão — ameaçando suspender a autonomia da Catalunha se ele escolher a independência.

    "A resposta deve ser sem qualquer ambiguidade. Ele deve dizer 'sim' ou 'não'", disse o ministro espanhol do Interior, Juan Ignacio Zoido, ao rádio Cope.

    "Se ele responde ambiguamente, significa que ele não quer diálogo e, portanto, o governo espanhol terá que agir", disse ele.

    Dilema catalão

    Puigdemont, que está realizando consultas com as partes locais para preparar sua resposta, enfrenta um duro dilema.

    Se ele disser que ele proclamou a independência, o governo central intervirá. Se ele argumentar que ele não declarou, então o Partido CUP, da extrema esquerda, provavelmente retiraria seu apoio ao seu governo minoritário.

    A CUP convidou Puigdemont na sexta-feira a fazer uma inequívoca declaração de independência, desafiando os prazos do governo de Madri.

    Essa posição de linha dura também foi apoiada pelo influente grupo cívico pró-independência, Assembleia Nacional Catalana (Assembleia Nacional Catalã).

    Eles foram reunidos no sábado por outro membro-chave da coalizão de Puigdemont, a Esquerda Republicana de Catalunya, cujo líder Oriol Junqueras disse que deveriam continuar com a ideia de divisão da Espanha após uma votação de independência.

    O governo catalão disse que 90% dos catalães votaram a favor de uma separação em um referendo de 1° de outubro, que as autoridades centrais de Madri declararam ilegal e a maioria dos opositores da independência boicotaram, reduzindo a participação para cerca de 43%.

    "Temos um compromisso inequívoco e absoluto de cumprir o mandato democrático a partir de 1° de outubro", disse Junqueras.

    Nos termos do artigo 155 da constituição espanhola, o governo central de Madri pode suspender a autonomia política de uma região se for violar a lei.

    Este artigo da lei, que permite que Rajoy retire o governo catalão e convoque uma eleição regional, nunca foi ativado desde que a constituição foi adotada em 1978, após a morte do ditador Francisco Franco.

    Mais:

    Madri pede para Catalunha explicação quanto à declaração de independência
    Assange: 'Espanha está empurrando Catalunha rumo à declaração de independência'
    Premiê espanhol: Madri não permitirá a independência da Catalunha
    Tags:
    independência, região separatista, separatismo, política, referendo, Oriol Junqueras, Juan Ignacio Zoido, Carles Puigdemont, Mariano Rajoy, Catalunha, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar