09:53 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    O vice-chefe da missão da OSCE na Ucrânia, Alexander Hug, visita a área bombardeada em Yasinovataya

    Político: Ucrânia quer 'opção iugoslava' em Donbass

    © Sputnik/ Igor Maslov
    Europa
    URL curta
    42028171

    Kiev e Washington se opuseram à proposta da Rússia de instalar pacificadores da ONU na linha de contato em Donbass, apoiando o deslocamento dos mesmos por todo o território da região. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o político Vadim Kolesnichenko explica por que esta ideia não é nada boa.

    Em suas declarações, os EUA e a Ucrânia rejeitaram a proposta da Rússia de instalar pacificadores da ONU na linha de contato em Donbass.

    As forças pacificadoras no leste da Ucrânia devem ter um mandato amplo, bem como devem ser instaladas na fronteira russo-ucraniana, disse a porta-voz da Secretaria de Estado norte-americana, Heather Nauert.

    Segundo ela, Washington considera tal medida para proteger os cidadãos ucranianos.

    No início de setembro, o presidente russo, Vladimir Putin, declarou apoiar a ideia de enviar pacificadores à Ucrânia para defender os observadores da OSCE. Ele adicionou que a instalação em questão deveria ser limitada à linha de contato. Moscou expôs suas propostas no projeto de resolução da situação para serem levadas à consideração no Conselho de Segurança da ONU.

    Kiev acha que os pacificadores devem ser instalados por todo o território de Donbass, incluindo a fronteira russo-ucraniana. As autoridades ucranianas se recusaram a discutir esta questão com as repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk. O presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, prometeu levantar a questão quanto ao deslocamento dos pacificadores na Assembleia Geral da ONU.

    O presidente do Conselho Internacional dos Compatriotas Russos, Vadim Kolesnichenko, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, opinou que Kiev está tentando de todas as formas evitar que os Acordos de Minsk sejam cumpridos.

    "A Ucrânia não deseja implementar os Acordos de Minsk, que começam com a coisa principal: eleições neste território de acordo com a lei, que foi concordada com os cidadãos da RPD [Républica Popular de Donetsk] e da RPL [Républica Popular de Lugansk]", ressalta Vadim Kolesnichenko.

    Para ele, Kiev busca outro destino para essa região.

    "A Ucrânia quer que seja realizado o cenário iugoslavo, segundo o qual as tropas da ONU ficariam na fronteira russo-ucraniana… Mas a opção proposta [pela Rússia] dá possibilidade de voltar à ideia da federalização, tanto mais que hoje em dia até a Ucrânia ocidental apoia esta ideia que há muito está no ar", concluiu Vadim Kolesnichenko.

    As autoridades da Ucrânia iniciaram em abril de 2014 uma operação militar contra as repúblicas autoproclamadas de Lugansk e Donetsk, que proclamaram a sua independência da Ucrânia em fevereiro de 2014. De acordo com os últimos dados da ONU, mais de 10 mil pessoas tombaram vítimas do conflito.

    A questão da regulação da situação em Donbass é discutida durante as reuniões do grupo de contato em Minsk, que já aprovou três documentos que regulam os passos para a desescalada do conflito. Mas os combates entre as partes em conflito ainda continuam.

    Mais:

    Ucrânia: Rússia participa de treinos militares para ocupar territórios alheios
    Donbass: Ucrânia está se preparando para violar trégua
    Manobras na Ucrânia seriam resposta sem rodeios aos exercícios russo-bielorrussos?
    Tags:
    tropas de paz, Acordos de Minsk, Conselho de Segurança da ONU, ONU, OSCE, Heather Nauert, Pyotr Poroshenko, Vladimir Putin, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik