08:29 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Angela Merkel, canciller alemana en Argentina

    Merkel defende acordo migratório e comenta adesão da Turquia à União Europeia

    © REUTERS/ Marcos Brindicci
    Europa
    URL curta
    331

    A chanceler alemã Merkel comentou as negociações de adesão Turquia à União Europeia e o acordo de migração durante os debates com o seu adversário principal nas próximas eleições federais, o líder do Partido Social Democrata da Alemanha (SPD), Martin Schulz.

    A chanceler alemã, Angela Merkel, disse no domingo que Berlim não pode interromper as negociações sobre a adesão da Turquia, mas que impõe medidas econômicas punitivas em resposta ao encarceramento de de cidadãos alemães.

    "Não temos poderes [para parar as negociações], esta decisão é tomada pela maioria na União Europeia", disse Merkel, quando perguntado se as negociações com a Turquia deveriam ser interrompidas após detenções de cidadãos alemães em solo turco.

    A chanceler acrescentou que Berlim poderia exercer pressão sobre Ankara em termos de economia, em particular, emitido um aviso mais rigoroso sobre os que queriam visitar o país e introduzindo restrições a empréstimos do Banco Central Europeu, Banco Mundial e  garantias de crédito à exportação emitidas pelo governo alemão.

    "Continuo convencida de que [o acordo de migração UE-Turquia] é absolutamente correto", disse Merkel durante um debate de eleições televisionadas transmitido pelo canal de televisão ARD, acrescentando que a Alemanha foi duramente criticada pela participação na negociação do acordo.

    Em março de 2016, a União Europeia e a Turquia concordaram que os refugiados sírios que chegam na Grécia seriam devolvidos à Turquia se o pedido de asilo for rejeitado, enquanto os requerentes de asilo sírios na Turquia seriam reassentados na Europa. Em contrapartida, Ancara recebeu US $ 6,4 bilhões em ajuda financeira e grandes concessões sobre a adesão e quanto a viagens de cidadãos turcos à União Europeia. O acordo deveria abordar o enorme influxo de migrantes e refugiados na Europa.

    Respondendo a uma pergunta durante o debate, a chanceler alemã disse que os migrantes que foram oficialmente rejeitados de asilo na Alemanha devem sair do país.

    "Nós fizemos muito trabalho a este respeito, e absolutamente concordo com vocês que aqueles aos quais foi rejeitado um status de refugiado devem sair da Alemanha", disse Merkel.

    O Partido Social Democrata da Alemanhã e a União Democrata Cristã de Merkel (CDU) são os dois partidos principais para os assentos do Parlamento nas eleições agendadas para 24 de setembro.

    Mais:

    Merkel: Alemanha continuará sendo Alemanha apesar dos refugiados
    Merkel espera que refugiados voltem para casa após fim de conflitos
    Merkel promete reduzir a entrada de refugiados na Alemanha
    Tags:
    Partido Social Democrata da Alemanha (SPD), União Democrata Cristã, Banco Mundial, Banco Central Europeu, União Europeia, ARD, Angela Merkel, Alemanha, Berlim, Grécia, Ancara, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik