18:30 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    608
    Nos siga no

    A partir de setembro, os caças da Força Aérea dos EUA F-15 Eagle с 1 irão exercer a missão de policiamento aéreo da OTAN nos países bálticos a partir da base área na cidade lituana de Siauliai.

    Desde maio, a Força Aérea da Polônia vem desempenhando essa função com ajuda de quatro caças F-16 Fighting Falcon.

    "Em 30 de agosto, na base militar de Siauliai será realizada a cerimônia de rotação da missão de policiamento aéreo da OTAN nos países bálticos. O contingente polonês, composto por quatro caças F-16 Fighting Falcon, será substituído pelo contingente da Força Aérea norte-americana com caças F-15 Eagle", diz o comunicado do Ministério da Defesa da Lituânia.

    De acordo com dados do ministério, a partir do dia 1º de setembro a missão será efetuada pelos militares norte-americanos que estão atualmente instalados na Grã-Bretanha, mais precisamente na base militar de Lakenheath.

    "Trata-se da quinta vez que a Força Aérea dos EUA realizará tal missão nos países bálticos. Anteriormente, o contingente norte-americano participou de missões de policiamento aéreo na região em 2005, 2008, 2010 e em 2014", comunica o ministério.

    Os respectivos Estados não possuem aviões aptos para patrulhamento aéreo, por isso, desde abril de 2004 (após sua adesão à OTAN), a vigilância do espaço aéreo tem sido efetuada por aviões dos países-membros da Aliança Atlântica em conformidade com o princípio de rotação. Os caças estão instalados na Lituânia, no aeródromo perto da cidade de Siauliai.

    Mais:

    Conflitos provocados entre Rússia e OTAN existem, mas 'ninguém quer um apocalipse nuclear'
    Ucrânia planeja inaugurar Centro de Doutrinas e Tática da OTAN
    Especialista: em vez de mudar sede da OTAN para Moscou se devia dissolver a Aliança
    Sede da OTAN pode ser transferida para Moscou?
    Tags:
    rotação, base militar, polícia, F-16 Fighting Falcon, OTAN, Países Bálticos, Lituânia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar