23:45 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Praga, capital da República Tcheca

    República Tcheca rejeita acolher bases militares estrangeiras

    © Sputnik / Natalia Seliverstova
    Europa
    URL curta
    291

    A República Tcheca não vê necessidade em instalar bases militares estrangeiras, incluindo as dos EUA, afirmou em uma entrevista à Sputnik o embaixador tcheco em Moscou, Vladimir Remek.

    "As autoridades atuais consideram que não há necessidade de ter bases estrangeiras no nosso território", disse.

    Ainda de acordo com o embaixador, o Partido Social-Democrata tcheco, que é uma das formações governantes no país, tem uma postura semelhante, considerando que a República Tcheca não precisa de bases militares estrangeiras, em particular, das americanas.

    O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante a campanha presidencial exortou à instalação do escudo antimísseis dos EUA na República Tcheca e na Polônia.

    A primeira infraestrutura do escudo antimísseis dos EUA no Leste da Europa, o sistema americano Aegis Ashore, entrou em serviço em meados de maio de 2016 na base romena de Deveselu, a uns 600 km a oeste da península de Crimeia.

    Os EUA planejam construir até 2018 outra infraestrutura similar com radares e mísseis interceptores na Polônia, na base de Redzikowo, a uns 180 km do enclave russo de Kaliningrado.

    Entretanto, as sanções da União Europeia contra a Rússia são uma ferramenta pouco construtiva que só prejudica a situação da gente comum, declarou o embaixador.

    "A minha opinião pessoal é que as sanções não são construtivas em princípio (…), a única consequência das sanções é a deterioração da situação das pessoas comuns", acredita o diplomata.

    A título de exemplo, ele recordou as sanções americanas contra Cuba com as quais Washington "praticamente não ganhou nada em quase meio século".

    Remek lembrou ainda que a embaixada tcheca está preparando uma visita do presidente Milos Zeman à Rússia.

    "Espero muito que essa visita possa contribuir para melhorar o entendimento mútuo", destacou.

    Ao mesmo tempo, quanto às relações entra a Rússia e a UE, o diplomata duvida que a situação venha a melhorar repentinamente num futuro próximo.

    A relações entre Moscou e o Ocidente pioraram por causa da situação em torno da Ucrânia, particularmente devido à adesão da Crimeia à Rússia após um referendo realizado em maio de 2014 em que mais de 96 por cento dos votantes apoiaram essa opção.

    Além disso, na opinião do embaixador, o abastecimento de gás à Europa através da Ucrânia deve se manter a fim de defender a segurança energética da União Europeia. Em 2015, a Ucrânia renunciou a comprar o gás russo ainda que siga atuando como país de trânsito.

    O projeto do novo gasoduto Nord Stream 2 prevê a criação de uma rede de dois ductos de gás com capacidade para 55 bilhões de metros cúbicos anuais, que se estenderiam desde a costa russa até à Alemanha pelo fundo do mar Báltico.

    Tags:
    Defesa antimíssil (DAM), escudo antimísseis, bases militares, Aegis, Nord Stream 2, União Europeia, Milos Zeman, Mike Pence, Alemanha, Mar Báltico, Crimeia, Kaliningrado, Redzikowo, Polônia, EUA, República Checa, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar